Pesca Gerais

Peixe mandarim: características, alimentação, curiosidade e reprodução

peixe mandarim

O Peixe Mandarim também pode atender pelo nome vulgar “dragão mandarim” ou “dragonete”, representando uma espécie de água salgada.

Dessa forma, o animal pode ser criado em aquário público ou doméstico, porém a manutenção é difícil, tendo em vista que a dieta seria restrita.

E uma característica interessante é que depois de superar o desafio da alimentação, a manutenção do peixe se torna simples.

Portanto, prossiga a leitura e saiba todas as características, distribuição, reprodução e informações sobre a alimentação da espécie.

Classificação

  • Nome científico – Synchiropus splendidus;
  • Família – Callionymidae.

Características do peixe Mandarim

Em primeiro lugar, entenda que o nome vulgar Peixe Mandarim vem das cores e também dos desenhos no corpo do animal.

De modo geral, os desenhos parecem com uma roupa de seda que era usada pelos mandarins na antiga China.

As cores são brilhantes e fortes, o que torna o peixe deslumbrante.

Além disso, o comportamento é tímido, fazendo com que o peixe seja interessante para a criação em aquários de estimação.

Como mecanismo de defesa contra os predadores, o corpo do Mandarim produz um muco viscoso de gosto e cheiro horrível.

Aliás, o animal tem uma pele muito grossa porque não possui escamas.

Com isso, ao habitar os recifes de coral, ele não é arranhado pelas pontas agudas.

Com relação à visão, saiba que o bicho consegue enxergar a sua volta porque os olhos ficam para fora como grandes saliências.

E diferentemente de diversas espécies de peixe, o Mandarim identifica até as cores do ambiente.

Outra característica relevante é que a água do mar seria responsável pela limpeza dos olhos, pois eles não possuem pálpebras ou canais lacrimais.

O comprimento médio dos indivíduos varia entre 6 e 10 cm, bem como a temperatura ideal da água deve ser de 25 °C.

peixe mandarim colorido

Reprodução do peixe Mandarim

O Peixe Mandarim tem o costume de acasalar ao entardecer, momento em que o macho levanta a nadadeira dorsal e nada em volta da fêmea.

Logo após se aproximar, o macho agarra a nadadeira peitoral da fêmea com o uso da boca e ambos nadam até a superfície.

Ao alcançar a superfície, os peixes realizam a desova.

Portanto, cabe mencionar que a espécie tem muito cuidado com os ovos que ficam boiando na superfície da água.

E com relação às características que diferenciam indivíduos, entenda que os machos são maiores e tem extensões nas nadadeiras anal e dorsal.

Inclusive, os machos têm cores mais bem distribuídas e brilhantes quando comparamos com as fêmeas.

Por fim, um ponto que deve ser esclarecido é a reprodução em cativeiro:

Basicamente, é fundamental que o aquário esteja nas condições ideais para que ocorra a reprodução.

A alimentação também influencia diretamente na reprodução em aquário, ou seja, se o aquarista tem dificuldades com a dieta, o animal não se reproduz.

Alimentação

E por falar em alimentação, os peixes vivem escondidos em fendas nos recifes de coral, alimentando-se de pequenos animais marinhos que passam próximo.

Com isso, é comum que o bicho se alimente durante o dia e use uma estratégia de bicar as vítimas.

De outro modo, o Peixe Mandarim pode comer algas e outros flocos que sirvam de alimento.

Isso ocorre porque o animal necessita de muitos nutrientes.

E de acordo com a análise intestinal de sete peixes desta espécie, foi possível notar uma dieta mista em aquário, incluindo os vermes poliquetas, pequenos gastrópodes, anfípodes gammaridianos, ovas de peixe e ostracodes.

Já os filhotes podem se alimentar de zooplâncton e fitoplâncton, até que cresçam e comam animais maiores.

Curiosidades

Dentre as curiosidades, é fundamental que você saiba mais informações sobre a criação em aquário:

O Peixe Mandarim deve ficar com outros indivíduos da mesma espécie.

Caso contrário, o animal se torna muito agressivo, atacando os companheiros de aquário.

Além disso, cabe mencionar a dificuldade na criação em aquário por conta dos hábitos alimentares específicos do animal.

Para que você tenha uma noção, alguns indivíduos simplesmente não conseguem se adaptar à vida do aquário porque eles recusam comer qualquer coisa além de anfípodes e copépodes vivos.

Já os mandarins que conseguem se adaptar à dieta, se tornam muito resistentes a diversos tipos de doenças.

E uma das características responsáveis pelo bloqueio de doenças seria a camada de limo desagradável que fica no lugar das escamas.

Onde encontrar o peixe Mandarim

Sendo nativo do Pacífico, o Peixe Mandarim também pode estar nas águas do Oceano Índico e Caribe.

Nesse sentido, alguns locais para ver o animal seriam as Ilhas Ryukyu, ao sul da Austrália.

O fato é que o local ideal deve ter água salgada e o clima deve ser tropical.

E além de o animal ficar em recifes de coral, também está nas águas rasas protegidas como as pequenas baías e as lagoas costeiras.

Gostou das informações sobre o Peixe Mandarim? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Veja também: Peixes de aquário: informações, dicas de como montar e manter

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Posts Relacionados

Deixe um Comentário