Início » Tapicuru: características, alimentação, reprodução, habitat e curiosidades

Tapicuru: características, alimentação, reprodução, habitat e curiosidades

por Otávio Vieira

Tapicuru é uma ave de médio porte que também atende pelos seguintes nomes comuns:

Maçarico-preto, maçarico-de-cara-pelada, tapicuru-de-cara-pelada, frango-d’água, chapéu-velho e maçarico-do-banhado (sul).

Os indivíduos também contam com nomes vulgares na língua inglesa como Bare-faced Ibis (uma referência à face pelada do animal), além de whispering íbis ou íbis sussurrante.

Portanto, nos acompanhe e saiba mais detalhes acerca da espécie.

Classificação:

  • Nome científico – Phimosus infuscatus;
  • Família – Threskiornithidae.

Subespécies de Tapicuru

Em primeiro lugar, a subespécie P. infuscatus infuscatus, catalogada em 1823, vive desde o leste da Bolívia até o Paraguai, Uruguai e nordeste da Argentina.

Por outro lado, a P. infuscatus berlepschi, de 1903, está no leste da Colômbia até as Guianas.

Também podemos citar o Suriname e alguns locais do noroeste do nosso país.

Por fim, a P. infuscatus nudifrons, listada no ano de 1825, vive no Brasil ao sul do rio Amazonas.

Características do Tapicuru

Embora haja 3 subespécie, é interessante que você saiba que os indivíduos têm características iguais que iremos faladas a seguir:

Sendo assim, a tapicuru é uma ave que tem entre 493 e 600 gramas, além de medir de 46 a 54 cm de comprimento.

No que diz respeito à cor, saiba que ela varia do marrom escuro ao preto, tendo um brilho esverdeado.

A face dos indivíduos não tem penas, sendo que tem um tom amarelado ou avermelhado.

De outro modo, o bico é característico, sendo grande e curvo, além de ter uma cor que varia do branco, rosa e castanho avermelhado ou do amarelo alaranjado até o amarelo vivo.

Tapicuru voando

Reprodução do Tapicuru

Antes de falar sobre a reprodução da espécie, cabe definir alguns pontos sobre o seu comportamento:

Em primeiro lugar, a ave é vista em grandes grupos com exemplares da mesma espécie, outros tipos de íbis ou até mesmo com animais domésticos.

Portanto, não são vistos sozinhos e não têm características territoriais.

Ficam agressivos somente quando ocorre o roubo de comida.

Embora seja possível diferenciar fêmeas e macho, tendo em vista que o bico dos machos é maior, o dimorfismo não é tão intenso como em outras espécies.

Sendo assim, saiba que a reprodução do tapicuru ocorre em colônias pequenas, entre os meses de agosto a dezembro.

Assim, os ninhos podem ser vistos em arbustos ou árvores, locais em que as aves também constroem plataformas.

Nestes ninhos, a fêmea coloca de 1 a 8 ovos que são coloridos em um tom de verde a azul.

A incubação é feita pelo macho e pela fêmea, durando de 21 a 23 dias.

Alimentação

A espécie tem o costume de buscar por alimento em águas rasas, sendo que caminha de forma lenta e vasculha todo o solo com o uso do bico.

Nesta busca, são pegos alguns crustáceos pequenos, moluscos, vermes, mariscos e invertebrados.

Os insetos e as matérias vegetais como as folhas e sementes, também fazem parte da dieta.

Curiosidades

É bom falar neste tópico acerca dos novos registros de tapicuru em regiões que antes não tinham dados documentados sobre sua ocorrência.

Isso significa que esta era uma ave pouco vista, mas que agora vem aparecendo e chamando a atenção de vários pesquisadores que querem entender os fatores que contribuem para a aparição.

Conforme um estudo feito no Tocantins, a primeira ave foi vista no estado em 2013, enquanto forrageiam nos leitos lamacentos de córregos e ambientes pantanosos.

Já no ano de 2010, indivíduos foram vistos próximo da lagoa da Pampulha em Minas Gerais, buscando por alimentos em locais rasos, além dos campos alagados e gramados.

Sendo assim, o autor do estudo nos sugere que a espécie está usando o mesmo local de reprodução de garças como abrigo noturno.

Além disso, os locais também são usados para fazer ninhos.

E estes registros nos indicam o seguinte:

Com o passar dos anos, as populações vêm aumentando, algo que causou a expansão.

Por exemplo, a espécie tem uma distribuição ampla em Santa Catarina, ao explorar os diferentes habitats.

O aumento da população ocorreu por conta das inúmeras transformações nas áreas baixas em que as florestas ombrófila densa deram lugar aos grandes campos de arroz e também às pastagens.

Como resultado, a área de forrageamento da espécie aumentou, incluindo também o interesse para estabelecer novas populações.

Onde vive o tapicuru?

Esta é uma espécie bastante numerosa, pouco comum ou ausente em vários locais, por conta dos seus hábitos migratórios.

Por exemplo, na região do Pantanal a ave é numerosa durante a época de migração, podendo estar ausente em outros lugares.

No geral, a espécie está distribuída desde a Guiana, Venezuela à Bolívia, além da Argentina, Paraguai, Uruguai e Brasil.

Falando em especial sobre o Brasil, podemos destacar Santa Catarina.

Neste local, tapicurus vivem ao longo do litoral e baixo vale do Itajaí, principalmente nos lugares em que a vegetação natural foi substituída por campos de pastagens e arrozais.

Outros locais em que a ave pode estar são os manguezais e lagoas, bem como, ao longo de estradas e rodovias como a BR-101.

Por isso, vive em áreas abertas como as de campos arados e banhados.

Gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é muito importante!

Informações sobre o Tapicuru no Wikipédia

Veja também: Ararajuba: características, alimentação, reprodução, habitat e curiosidades

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Caixa de Comentários do Facebook

Você pode gostar

Deixe um comentário