Início Animais Sucuri-verde: características, comportamento, alimentação e habitat

Sucuri-verde: características, comportamento, alimentação e habitat

por Otávio Vieira

A Sucuri, também conhecida como Sucuri-verde ou boa d’água, é uma cobra constritora pertencente à família Boidae e se caracteriza por seu enorme comprimento e diâmetro.

A Eunectes murinus, nome pelo qual esse espécime é cientificamente conhecido, é a maior e mais pesada cobra do continente americano e a segunda maior do mundo, sendo superada apenas pela (Python reticulatus) ou mais conhecida como píton reticulada.

As Sucuris são cobras constritoras de enorme comprimento e diâmetro, geralmente de cor verde escuro com manchas espalhadas por todo o corpo. Além disso, seus flancos possuem ocelos amarelos circundados por um anel preto e seu ventre é amarelo manchado com tons de preto. A boa d’água, como também é conhecido esse espécime, é uma excelente nadadora e pode até ficar submersa por até 10 minutos sem respirar.

No entanto, em terra é um pouco lento, por isso vai preferir sempre ficar perto da água para realizar o seu ciclo de vida.

Seu nome científico é Eunectes murinus, mas é comumente conhecida como Sucuri verde. Habita a bacia amazônica e é considerada a maior espécie da família Biodae. Não é venenoso, mas mata suas presas por asfixia. Em essência, é de hábito aquático e subaquático, pode ser visto tanto durante o dia quanto à noite e pode viver perfeitamente tanto nas árvores quanto na água. Se você quiser saber mais sobre ela, continue lendo abaixo.

  • Tamanho: Alguns espécimes de mais de 8 metros foram registrados, mas geralmente não excedem 4,6 metros;
  • Peso: O espécime mais pesado atingiu 220 kg, embora normalmente esteja em torno de 85 kg;
  • Velocidade: 21,6km/h ;
  • Quanto tempo de vida: até 30 anos;
  • Quantos ovos põe de cada vez: até 100 ovos;
  • O que come: Aves, mamíferos, peixes e répteis

Entenda as principais características da Sucuri-verde

Sucuris são animais ovovivíparos. Sua cor é verde oliva com manchas escuras por todo o corpo. Eles têm listras vermelhas e pretas em cada lado do rosto, atrás dos olhos.

As fêmeas são muito maiores que os machos. É uma cobra que adora água, e passa a maior parte do tempo nela. Eles podem ficar até 10 minutos debaixo d’água sem respirar.

Eles podem devorar presas enormes. A sua barriga é branca com alguns desenhos amarelos e pretos à medida que se aproxima da cauda.

Eles costumam viver no máximo 15 anos, embora haja casos de espécimes que viveram mais.

Eles não regulam a temperatura do corpo, por isso devem tomar sol ou ficar na sombra para regular a temperatura.

Apesar do que os filmes nos levam a acreditar, as Sucuris não costumam atacar as pessoas, a menos que sejam perturbadas.

A Sucuri-verde é uma das maiores e mais pesadas jiboias da Terra. Alguns podem ultrapassar os cinco metros, o que o torna um réptil bastante temido pelos humanos. Conta-se que na década de 1960 foi capturado um espécime de 8,45 metros e 220 quilos.

Os olhos estão localizados acima dela, e seu rosto pode desenvolver manchas alaranjadas, dependendo do território em que se encontra.

O pescoço deste animal não costuma ser pronunciado. E, assim como os órgãos oculares, as narinas estão em uma posição elevada, permitindo que respire com mais eficiência. Este último detalhe é extremamente importante, se tivermos em conta que a Sucuri-verde permanecem na água durante a maior parte da sua existência.

Como outras espécies, seus receptores olfativos estão localizados na língua. O corpo é musculoso e largo, e se adapta a sua presa.

Sucuri-verde

Qual é a sua taxonomia?

Esta cobra faz parte da família dos boidae (boas), especificamente do gênero Eunectes. É considerado um dos mais longos. Concorre com a Píton-reticulada, pelo título de maior cobra do mundo. Este último é geralmente mais volumoso, mas menos estendido.

Entenda o comportamento da Sucuri-verde

Apesar de nos filmes nos terem ensinado que as Sucuris são animais perigosos e selvagens, a realidade é que são espécimes muito calmas, de fato, preferem sempre fugir de qualquer situação perigosa e só atacarão se forem perturbados.

Elas se adaptam incrivelmente bem a qualquer ecossistema e podem até entrar em estado de dormência, se necessário, em períodos de seca.

Elas detectam suas presas por meio de vibrações e outras habilidades sensoriais, como a termo localização, porque seus sentidos de visão e olfato são péssimos.

A sucuri-verde passa grande parte de sua vida na água, pois é onde ela se movimenta com mais desenvoltura e desenvoltura.

As cobras desta espécie são nadadoras extremamente ávidas. Tanto que podem submergir completamente, e capturar suas presas sem que possam notá-las previamente.

Habitat: onde vive a Sucuri Verde

O habitat natural da Sucuri-verde tem sido associado à Amazônia Venezuelana, porém não é o único local onde pode ser encontrada.

A jiboia também pode ser encontrada na foz dos rios Orinoco, Putumayo, Napo, Paraguai e Alto Paraná nos países da Venezuela, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Bolívia, Peru, Paraguai e na ilha de Trinidad.

Sempre encontraremos essa gigante perto de fontes de água, pois são sua casa favorita, portanto, sempre permanecerão perto de rios, lagoas, poços e pântanos.

Qual é o habitat da Sucuri verde?

Esta espécie passa grande parte de sua vida na água, tanto que muitas vezes é chamada de jiboia aquática.

Eles optam pela água, porque são notavelmente rápidos. O mais comum é que elas flutuem na superfície da água, deixando apenas o focinho fora dela.

Em terra, o Eunectes murinus é bastante lento, tanto que dá a impressão de ser preguiçoso.

Distribuição da Sucuri-verde

A Sucuri-verde é típica dos afluentes de nações sul-americanas, como o Amazonas, Orinoco, Alto Paraná, Paraguai, Napo e Putumayo.

Este réptil está presente em territórios da Venezuela, Colômbia, Guiana, Trinidad, Brasil, Peru, Equador e Bolívia. Além disso, foram vistos espécimes em Everglades (Flórida, Estados Unidos), que atraíram muita atenção.

A Sucuri Verde está presente na América do Sul, principalmente em países como Colômbia, Venezuela e Guiana.

Apesar de não fazerem parte de seu ecossistema, essa cobra também pode ser vista no Brasil, Bolívia e Peru. Isso se deve à migração que elas tiveram que realizar após escapar ou serem libertados de humanos que os mantinham como “animais de estimação”.

A Sucuri verde é fascinada por florestas tropicais. Não é à toa que muitos espécimes optam pelo rio Amazonas. Este réptil pode viver dentro e fora da água. O comércio dessas cobras é ilegal.

Alimentação: o que come a Sucuri-verde

As Sucuris-verdes são animais carnívoros, ou seja, se alimentam de proteína animal para obter os nutrientes e proteínas necessários para viver.

São animais oportunistas e porque quando atingem a idade adulta não têm predadores naturais, apanham e devoram quase todos os animais do seu ambiente.

No entanto, eles se alimentam principalmente de tartarugas, antas, peixes, iguanas, pássaros, veados, capivaras e até jacarés.

Sua forma de caça se baseia em atacar sua presa de forma surpreendente e rolar seu corpo sobre ela, matando sua presa por asfixia dentro ou fora d’água.

O metabolismo das Sucuris é lento, por isso, se devoram uma presa grande, será suficiente para durar várias semanas sem comer.

A sucuri verde pode ingerir um grande número de animais, independentemente do seu tamanho: aves, mamíferos, peixes e outros répteis. Graças ao seu grande tamanho, eles podem devorar suas presas com grande facilidade, mesmo que tenham uma constituição considerável.

A Sucuri verde foi documentada comendo crocodilos, porcos e veados. Quando suas presas são de tamanho tão grande, após ingeri-las não precisam se alimentar por um mês.

Por outro lado, foi demonstrado que, devido às grandes diferenças de tamanho entre ambos os sexos, a sucuri verde fêmea pode devorar os machos.

Embora não seja um comportamento usual, acredita-se que isso ocorra depois que o espécime é jovem e requer mais comida. O notável sobre esse aspecto é que, se isso ocorrer, significa apenas uma fonte limitada de alimento.

A Sucuri verde costuma devorar suas presas quando se aproxima do rio para beber água. Usando suas grandes mandíbulas, ele os morde e se enrola até sufocar. Este processo leva apenas alguns segundos, graças à grande força dessas poderosas cobras.

A Sucuri-verde devora por constrição.

As fêmeas são muito maiores do que as do sexo oposto. O primeiro pode medir entre quatro e oito metros de comprimento e pesar de 45 a 180 quilos. No caso dos machos, foram observados espécimes com tamanhos inferiores a 2,5 metros.

Três escamas espessas estão presentes no focinho de cada lado, característica que a diferencia das outras da mesma espécie.

Entenda o processo de reprodução da Sucuri-verde

Durante o segundo trimestre do ano, na grande maioria dos casos, ocorre o acasalamento. Nos meses anteriores, essas espécies geralmente estão sozinhas. Durante esse tempo, os machos geralmente rastreiam as fêmeas pelo cheiro. Acredita-se que as fêmeas espalhem um cheiro distinto que permite que as pessoas do sexo oposto as encontrem.

O processo de acasalamento da Sucuri verde é muito particular. Geralmente, um grupo de machos costuma encontrar a mesma fêmea. Situações de até uma dúzia de machos enrolados em torno da fêmea, tentando copular, foram documentadas.

Muitos especialistas definiram este processo como bolas de reprodução. Durante o “baile”, os machos costumam brigar entre si para acasalar com a fêmea. Este processo de luta pode ser prolongado por mais de 30 dias. Normalmente, é o macho maior e mais forte que é o vencedor. No entanto, como as fêmeas são muito maiores e mais robustas, às vezes são elas que podem decidir com qual macho acasalar. O processo de corte e acasalamento ocorre normalmente, na grande maioria dos casos, na água.

O tempo de gestação estende-se entre seis e sete meses. Depois disso, a fêmea dá à luz os filhotes. Apesar do fato de que normalmente nascem entre 20 e 40 filhotes, casos de até 100 nascimentos foram documentados. Isso faz com que a mãe perca 50% de seu peso. As Sucuris verdes recém-nascidas medem em torno de 70 e 80 centímetros. Desde o primeiro momento de vida são totalmente independentes da mãe, ou seja, separam-se dela e procuram alimentar-se sozinhos. Poucos filhotes costumam sobreviver após algumas semanas, pois, devido ao seu pequeno porte, são presas fáceis para outros animais.

Esta cobra é caracterizada por ter um crescimento extremamente rápido até atingir a maturidade sexual em seus primeiros anos. Posteriormente, o processo de crescimento é geralmente mais lento.

Ameaças e perigos enfrentados pela Sucuri-verde

Devido à sua popularidade, as Sucuris-verdes tornaram-se alvo de caçadores que os procuram para vender a sua exuberante pele e as suas partes, muitas vezes utilizadas na medicina tradicional.

A IUCN classifica esta espécie como uma espécie de “médio risco” dentro das espécies em perigo de extinção, pelo que não corre sérios riscos de desaparecer.

A sucuri verde não possui grande valor comercial, pois, devido ao seu grande porte, costuma ser bastante difícil para o ser humano mantê-la em cativeiro.

No entanto, esta cobra está em perigo devido a vários fatores. Primeiro, pode ser caçado para usar sua pele na fabricação de itens de origem marroquina, como bolsas.

Cobra Sucuri-verde

Cobra Sucuri-verde

Estado de conservação da espécie

A principal ameaça que afeta a conservação da Sucuri-verde em seu ambiente natural é sem dúvida a destruição de seu habitat natural, além disso, costuma ser caçado e morta por medo.

A Sucuri-verde costuma ser considerada uma ameaça ao gado e às crianças, o que incentiva ainda mais as pessoas a procurá-los e matá-los sem avisar, porém, isso só prejudica o ecossistema e favorecerá a proliferação de roedores na área.

Cultura popular sobre a Sucuri Verde

As Sucuris apareceram em várias séries, filmes e até em livros de terror, por isso estão associadas à falsa crença de que são predadores mortais de humanos, o que é totalmente falso, pois são poucos os casos em que um espécime comeu um humano.

Curiosidades da Sucuri

  • Apesar de seu enorme tamanho, são cobras muito furtivas;
  • As Sucuris-verdes podem rastrear o calor de suas presas;
  • Elas podem ficar debaixo d’água por 10 minutos sem respirar;
  • O habitat favorito das Sucuris é a Amazônia venezuelana;
  • Devido ao seu enorme peso, as Sucuris-verdes passam a maior parte do tempo na água, onde aprenderam a ser excelentes nadadoras;
  • Elas podem comer presas muito maiores do que eles, devido à sua mandíbula flexível;
  • A fêmea é bem maior que o macho.

Como a Sucuri verde respira?

A Sucuri verde tem narinas, laringe, glote, traqueia e dois pulmões. A respiração desta cobra é realizada através dos pulmões. O ar chega até eles através da faringe, traqueia, laringe e brônquios.

As narinas da Sucuri verde são alongadas e cercadas por escamas. A glote está localizada acima e atrás da caixa da língua.

A Sucuri verde é capaz de impedir que os alimentos passem pelas vias respiratórias, graças à glote que se fecha e avança durante a deglutição.

Gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Informações sobre a Sucuri-verde no Wikipédia

Veja também: Sucuri: características gerais, classificação, espécies e muito mais

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Youtube Video

Caixa de Comentários do Facebook

Deixe um comentário