Início Animais Sucuri-amarela: reprodução, características, alimentação, curiosidades

Sucuri-amarela: reprodução, características, alimentação, curiosidades

por Otávio Vieira

A sucuri-amarela também pode ter por nome vulgar “sucuri paraguaia”, sendo natural do sul da América do Sul. Esta seria uma das maiores cobras do planeta, mas é menor que uma parente próxima de nome “sucuri verde”.

Assim como a maioria de pítons e jiboias, a espécie não é peçonhenta, usando a estratégia de constrição para matar as presas.

A Sucuri-amarela é uma cobra constritora, pertencente à família das Boidaes. Vive na América do Sul e é parente da Sucuri-verde, embora não seja tão grande quanto ela, mas é maior que a sucuri boliviana. Também é conhecida como Sucuri paraguaia. Assim como as cobras constritoras, a Sucuri-amarela não é venenosa e mata suas presas por constrição. Atualmente, nenhuma subespécie é conhecida e está listada como uma “espécie vulnerável” devido à caça furtiva e ao comércio de animais de estimação exóticos. É uma das maiores cobras do mundo.

Portanto, nos acompanhe e entenda todas as informações da Yellow Anaconda, assim famosa na língua inglesa.

Classificação:

  • Nome científico: Eunectes notaeus;
  • Família: Boidae.

Entenda as características da Sucuri-amarela

Primeiro de tudo, saiba que a sucuri-amarela tem uma média de 3,3 a 4,4 m de comprimento total. Dessa forma, as fêmeas costumam ser maiores do que os machos, sendo que já foram vistas algumas com 4,6 m de comprimento. A massa varia entre 25 e 35 kg, porém os exemplares maiores podem ter até 55 kg de peso.

Também é importante falar sobre o padrão de cor que no fundo tem tons de amarelo, amarelo-esverdeado ou marrom-dourado. Além disso, há uma série de estrias e manchas negras ou marrom-escuras que ficam espalhadas pelo corpo.

Com relação à estratégia de constrição para matar as presas, entenda o seguinte: A serpente pressiona a vítima fazendo movimentos circulares até que seja capaz de matá-la.

Por esse motivo, diferentemente do que muitos afirmam, as serpentes não usam a técnica para quebrar os ossos ou sufocar as presas, este é um mito.

sucuri-amarela gigante na água

Fotos Lester Scalon

Reprodução da Sucuri-amarela

A época de acasalamento ocorre entre abril e maio. Também ao contrário das pítons, essas cobras são ovovivíparas. Às vezes, uma fêmea pode ser encontrada por vários machos; então todos eles rolam sobre a fêmea tentando acasalar, isso é chamado de “bola de reprodução”, que pode durar até 4 semanas.

Na época de reprodução, a sucuri-amarela fêmea libera um feromônio a fim de atrair os machos e iniciar a procriação. Na reprodução natural, é comum que os machos tentem cruzar com uma única fêmea ao mesmo tempo, algo que tem por nome “bola de reprodução” e seria mais comum nas cobras-garter.

Por conta deste costume, um aglomerado de machos pode ficar em volta de uma fêmea por até 1 mês, entre os meses de abril e maio. A espécie é ovovivíparas, o que significa que o embrião se desenvolve em um ovo que fica dentro do corpo da serpente por até 6 meses.

Elas podem gerar entre 4 e 82 filhotes por ninhada, mas é comum que nasçam somente 40. Os filhotinhos nascem com 60 cm de comprimento total e sofrem com ataques de predadores como os jacarés, onças e até mesmo as maiores sucuris.

Outros exemplos de predadores seriam os canídeos como a raposa comedora de caranguejo, mustelídeos e raptores. Assim, os filhotes que sobrevivem ficam maduros entre o terceiro e quarto ano de vida. Quando adultos, o único predador seria o ser humano, que caça os exemplares a fim de usar a pele no comércio.

Eles atingem a maturidade sexual aos 4 anos e seu período de gestação é de 6 meses. Elas podem parir de 4 a 80 filhotes, que nascem medindo aproximadamente 60 centímetros. O tamanho da ninhada depende do tamanho da fêmea.

detalhe da cobra sucuri amarela

Alimentação: o que come a Sucuri Amarela

Conforme alguns estudos que analisaram o conteúdo de intestino e dejetos de locais inundadas na região do Pantanal do sudoeste do Brasil, foi possível definir o seguinte sobre a sucuri-amarela: Este seria um alimentador generalista, ou seja, a espécie tem muito conhecimento para se adaptar em diferentes lugares. Alimentam-se principalmente em águas rasas, onde esperam pacientemente a passagem de um animal.

Além disso, o forrageamento é amplo, isto é, os indivíduos inteligentes são capazes de explorar muito bem os recursos alimentares, usando grandes estratégias de caça. Nesse sentido, as presas podem ser as espécies aquáticas ou semi-aquáticas como, por exemplo, os pássaros, anfíbios, mamíferos, répteis e peixes. Os maiores espécimes da espécie também comem queixadas, veados e capivaras. É uma das cobras constritoras, que se alimentam das maiores presas em relação ao seu tamanho.

Os exemplares maiores também podem se alimentar da ova de espécies diversas ou de outras sucuris, além de atacarem os animais grandes como as capivaras, queixadas e veados. Outros estudos também nos indicam que a espécie tem hábitos canibais, mas não se sabe em quais situações isso ocorre ou qual seria a frequência.

A dentição é especializada e tem por nome “áglifa” que consiste em diversos dentes pequenos e finos que são curvados para trás. Tal característica dentária impossibilita que a presa escape, além de facilitar a estratégia de constrição.

Curiosidades sobre a espécie

Ao analisar a vida da sucuri-amarela em cativeiro, é possível afirmar que a espécie seria perigosa para os seres humanos.

Aliás, o animal oferece perigo em determinadas regiões como Everglades, na Flórida.

Isso porque era possível que os indivíduos se tornassem invasores, tornando a importação, transporte e venda como ações ilegais nos Estados Unidos, desde 2012.

sucuri amarela dentro dágua

Habitat: onde encontrar a Sucuri-amarela

A distribuição da sucuri-amarela inclui a drenagem do rio Paraguai e seus afluentes. Por esse motivo, os indivíduos estão desde a parte do Pantanal na Bolívia, Paraguai e oeste do Brasil, até a zona nordeste da Argentina, além do norte do Uruguai.

Os exemplares preferem os habitats aquáticos como os pântanos e as margens que são repletas de arbustos. Também vive em riachos e rios lentos, brejos, tal como as florestas e cavernas. Apesar de ser natural da América do Sul, a espécie pode ser vista em outros continentes. Por exemplo, houve a introdução na Flórida, local em que se acredita que há uma pequena população. Embora seja desconhecido, se eles estão se reproduzindo.

Por fim, no mês de agosto de 2018, uma serpente foi vista na Alemanha. O exemplar tinha 2 m de comprimento total e estava em um lago.

Comportamento das cobras Sucuris-amarelas

As Sucuris-amarelas, podem estar ativas a qualquer hora do dia, mas seu comportamento é principalmente noturno. Também são solitários e só se encontram com outros membros de sua espécie, quando vão se reproduzir.

Eles passam a maior parte do tempo boiando na água, esperando algum animal passar. Por esse comportamento em algumas regiões é chamada de boa d’água.

Quais são os principais predadores da Sucuri Amarela

Devido ao seu tamanho, não há muitos animais que se alimentam deles. Quando jovens podem estar na dieta de cachorros-do-mato, lontras, jacarés, onças, algumas aves de rapina e outras Sucuris.

Por outro lado, quando adultos, apenas a onça é seu único predador natural. A cobra também é caçada por humanos por causa de sua pele e carne. A pele é usada para fazer objetos e a carne é consumida por tribos indígenas.

Relacionamento com o ser humano

A Sucuri-amarela, como outras cobras, é comestível assado ou frito após retirar a pele e eviscerá-la cuidadosamente (nas vísceras pode conter, como muitos outros animais, parasitas).

Por ser comestível, tem sido um dos vários ingredientes alimentares das etnias indígenas onde essa cobra é encontrada. Por outro lado, por ser inofensivo ao homem e altamente predador de roedores, tem sido tradicional, principalmente em fazendas do interior, ter pelo menos uma Sucuri Amarela vivo para combater pragas de ratos e roedores “domésticos” semelhantes.

Veneno é perigoso para o homem?

Os dentes da Sucuri-amarela são áglifos, ou seja, não possuem sistema inoculador de veneno, não são tóxicos para humanos. A dentição é composta por dentes de tamanho uniforme curvados para o interior da boca.

São dentes extremamente afiados, curtos e lisos, apesar de não ser uma cobra venenosa, o tamanho dessa cobra a torna capaz de produzir uma lesão grave, chegando a rasgar o tecido muscular. Isso, somado aos ambientes úmidos onde vive a Sucuri Amarela, pode desencadear infecções que colocam em risco a saúde e até a vida se a ferida não for tratada adequadamente.

A Sucuri paraguia, como é conhecida a Sucuri-amarela, é considerado comestível. Pode ser consumido assado ou frito, mas não sem antes retirar a pele e eviscerar com cuidado, pois os parasitas se alojam nas vísceras. Além de ser considerado como alimento, também é valorizado como controlador de pragas e alguns espécimes são geralmente mantidos em áreas rurais para manter afastados os roedores.

O dentes e a mordida da Sucuri Amarela

O único perigo que a Sucuri Amarela representa para os humanos é causar lesões nos tecidos moles devido à nitidez de seus dentes.

Antes de uma ferida, é essencial fazer uma limpeza e desinfecção adequadas para evitar as bactérias típicas de climas tropicais, colocar um curativo e levar a pessoa ferida a um hospital para melhor atendimento e avaliação das lesões.

Somente um médico administrará os antibióticos corretos e aplicará a vacina antitetânica para evitar complicações. Podem ocorrer complicações graves se a ferida não for verificada corretamente e se a cobra perder um dente dentro da pele ao morder e não for extraído, pode desencadear uma infecção grave, colocando em risco até mesmo a integridade do membro afetado.

Se uma Sucuri Amarela nos pegar com uma mordida, deve-se fazer um esforço para suprimir o instinto de retirar o membro da boca da cobra, pois pelo fato de os dentes serem curvados para trás, apenas rasgaríamos a pele e os músculos. Se possível, force a cobra a abrir a boca e remova-a com cuidado para minimizar os danos aos tecidos.

Esta espécie, como a maioria das cobras, atacará se for encurralada e provocada. Deve-se notar que um encontro é potencialmente perigoso devido ao tamanho desses animais e à força que são capazes de exercer. Se parece que a coisa mais sensata a fazer é se afastar calmamente do espaço dela sem incomodá-la.

Criação em cativeiro da Sucuri Amarela

Se você deseja criá-lo em cativeiro, deve levar em consideração que não são animais para pessoas inexperientes, são poderosas, requerem um grande terrário com áreas quentes e frias onde possam termorregular. Nunca tente manter uma anaconda amarela capturada na natureza como animal de estimação, pois ela nunca suprimirá seus instintos.

Nunca deixará de atacar, tentará sempre fugir, nunca se deixará manipular e se for um local onde haja crianças pequenas pode ser potencialmente perigoso.

Perigo de extinção

A anaconda amarela é frequentemente caçada por sua pele e carne. No entanto, é um animal que dá equilíbrio ao meio ambiente, pois pode controlar as populações de roedores e outros animais, é uma questão de consciência se você os observar para não matá-los ou não se alimentar deles, se não for necessário para manter uma população saudável desta espécie, manterá os animais que podem espalhar doenças como roedores longe dos assentamentos humanos.

Além destes, é mais impressionante observá-los em seu ambiente natural do que como um enfeite pendurado na parede ou apenas servido como um prato exótico. Se isso for levado em conta, a espécie pode viver em harmonia com o homem.

Gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Informações sobre a Sucuri-amarela no Wikipédia

Veja também: Serpente Marinha: principais espécies, curiosidades e características

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Youtube Video

Caixa de Comentários do Facebook

Deixe um comentário