Início Peixes Peixe Candiru: o que você precisa saber sobre esse animal perigoso

Peixe Candiru: o que você precisa saber sobre esse animal perigoso

por Otávio Vieira

Também conhecido como “vampiro da Amazônia”, o Peixe Candiru assusta os nativos desta região porque ele supostamente é capaz de entrar na uretra humana e causar grandes danos.

Aliás, a espécie pode ser removida do corpo somente por meio de cirurgia. Entenda mais sobre esta questão, além das características, alimentação e reprodução, ao prosseguir a leitura do conteúdo.

Também conhecido como “bagres”, é um peixe pequeno e famoso por seu comportamento desagradável – ele entra em orifícios do corpo humano onde não é bem-vindo. Será que é uma lenda ou é verdade? Qual é o hábito dos Candirus? Todos os peixes da família são peixes vampiros? Se você quer saber tudo sobre a família Candiru, os Trichomycteridae, continue lendo o artigo.

O peixe Candiru é um animal que desperta muita curiosidade e, ao mesmo tempo, muito medo nas pessoas. Isso porque ele é conhecido por ser um animal perigoso, que pode causar muitos danos à saúde humana. No entanto, ainda há muita desinformação sobre o assunto e, por isso, criamos este post com o objetivo de esclarecer tudo o que você precisa saber sobre o peixe Candiru.

O peixe Candiru é uma espécie que causa medo e fascínio nas pessoas. Acredita-se que ele possa entrar no corpo humano através das cavidades naturais, causando danos e desconforto extremos.

O peixe Candiru é um animal fascinante e temido pelas pessoas, mas é importante desvendar os mitos e verdades sobre ele. Embora seja perigoso para o ser humano, o Candiru tem um papel importante no ecossistema aquático da Amazônia.

No entanto, é importante lembrar que a preservação do meio ambiente e a segurança das pessoas devem sempre estar em primeiro lugar, e que o consumo e a captura do peixe Candiru devem ser evitados.

Classificação:

  • Nome científico – Vandellia cirrhosa;
  • Família – Trichomycteridae.

O que é o Peixe Candiru

O peixe Candiru é um animal que pertence à família Trichomycteridae, que é composta por espécies de peixes de água doce que habitam rios da América do Sul. Ele é encontrado em países como Brasil, Colômbia, Peru e Equador, e pode ser identificado por sua aparência cilíndrica e escura, além de seu tamanho relativamente pequeno, geralmente não ultrapassando os 17 cm de comprimento.

O peixe Candiru é considerado um parasita de outros peixes, já que ele penetra no corpo desses animais para se alimentar de seu sangue. No entanto, é também conhecido por atacar seres humanos, o que o torna um animal perigoso e assustador.

O peixe Candiru, também conhecido como Canero, é uma espécie de peixe de água doce que habita as águas dos rios da Amazônia, principalmente na região do Rio Negro. Ele possui uma forma alongada e fina, com cerca de 2,5 a 6 centímetros de comprimento.

Uma das características mais marcantes do peixe Candiru é a sua capacidade de nadar rapidamente em águas rasas e se esconder nas fendas das rochas. Além disso, ele é conhecido por ter uma pele lisa e escorregadia, o que o torna difícil de agarrar.

O Peixe Candiru é uma espécie muito interessante porque ela se alimenta de sangue e supostamente oferece riscos aos humanos

Características do peixe Candiru

O Peixe Candiru é uma espécie pequena, visto que alcança até 17 cm de comprimento padrão, mas em geral, os peixes são bem pequenos.

Além disso, pode ser que alguns indivíduos raros apresentem cerca de 40 cm de comprimento total. Com relação as suas características corporais, o bicho tem olhos pequenos e pretos, assim como um corpo liso e translúcido. Já sua cabeça é pequena e levemente achatada.

Em algumas ocasiões, também pode ter uma cor azulada com o aspecto luminoso e após a alimentação, o peixe pode ter outra coloração. Há também alguns espinhos curtos em seu corpo e barbilhões que ficam localizados na boca.

Os Candirus são bagres relativamente pequenos e peculiares por serem parasitas hematofágicos, ou seja, se alimentam do sangue de outros peixes. Eles pertencem à família Trichomycteridae, a segunda maior família de bagres com mais de 320 espécies em todo o mundo. Eles perdem apenas para a família Loricariidae, que possui mais de 1000 espécies.

Os representantes da Trichomycteridae podem ser encontrados em toda a América do Sul e parte da América Central, que chamamos de região neotropical, e é a família de bagre que possui a maior diversidade de hábitos de vida e estratégias alimentares.

A grande maioria das espécies não é parasita e se alimenta de insetos e partículas trazidos pela correnteza. Há até um grupo de espécies que se alimentam de algas!

Reprodução do peixe Candiru

Infelizmente não há muitas informações acerca da reprodução do Peixe Candiru, principalmente na natureza. Mas o que se sabe é que foi registrado um indivíduo da espécie com ovários maduros, no final do mês de dezembro.

Por isso, quanto a sua desova em cativeiro, pôde-se observar em um estudo que inicialmente o macho nadou ao redor da fêmea e a levou até o substrato.

Depois disso, ambos liberaram os ovos e espermatozoides, enquanto estavam em contato lateral direto entre si. Com isso, a fêmea liberou de 4 a 5 ovos por vez e a reprodução ocorreu várias vezes, durante três dias.

Alimentação do peixe Candiru

Outro nome vulgar para o Peixe Candiru seria o “peixe vampiro da Amazônia”. Isso porque o animal é um parasita que perfura as escamas de outros peixes, se aloja nas guelras e força o opérculo a fim de chegar às artérias ventrais ou dorsais.

E quando consegue alcançar as artérias, o animal extrai o sangue de sua presa para se alimentar. Por isso, a espécie é hematófaga, tendo em vista que se alimenta de sangue.

E os espinhos são características corporais que ajudam o Peixe Candiru a permanecer preso às guelras.

Sua alimentação dura de 30 a 145 segundos e depois disso, o bicho afunda e se enterra no fundo do rio. Inclusive, é comum que sua barriga fique inchada após a alimentação.

Como o Candiru ataca

O peixe Candiru é conhecido por atacar seres humanos quando estes entram em contato com a água em que ele habita. O animal é atraído pelo odor da urina e do suor humano e, por isso, pode tentar entrar no corpo das pessoas por meio de orifícios como a uretra e o ânus.

Quando isso acontece, o peixe se fixa nas paredes do órgão e começa a se alimentar de seu sangue, o que pode causar muita dor e danos à saúde humana. Além disso, a retirada do peixe pode ser difícil e dolorosa, e pode levar a complicações sérias.

O Candiru é um peixe parasita que se alimenta do sangue de outros peixes. Para se alimentar, ele busca fendas naturais nas escamas dos peixes hospedeiros e penetra nelas através de uma série de espinhos afiados em sua barbatana.

No entanto, o que muitas pessoas temem é que o Candiru possa atacar seres humanos. De fato, o peixe já foi registrado em algumas ocasiões dentro do corpo de pessoas, especialmente em regiões íntimas como a uretra.

Acredita-se que o Candiru seja atraído pelo cheiro da urina, que pode ser confundido com a fenda de uma rocha ou uma abertura natural na pele. Quando entra no corpo humano, o Candiru usa seus espinhos para se fixar nos tecidos internos e se alimentar de sangue.

Onde se encontra o peixe Candiru

O peixe Candiru é encontrado em vários rios da América do Sul, principalmente nas bacias do Rio Amazonas e Rio Orinoco. No Brasil, ele é mais comum na região da Amazônia, especialmente nos rios Negro e Branco.

Países como Bolívia, Colômbia, Peru, Equador e Brasil podem abrigar esta espécie que é nativa da Bacia Amazônica.

Além disso, este animal pode habitar a Bacia do Orinoco, local em que faz parte da fauna de peixes neotropicais.

O Peixe Candiru também prefere viver em cursos d’água ácidos, rasos, lentos e que tenham fundos lamacentos ou arenosos. Inclusive, pode estar enterrado no leito do rio, na maior parte do tempo.

Para que serve o peixe Candiru

O peixe Candiru tem um papel importante no ecossistema aquático da Amazônia, sendo um predador de outros peixes menores e de larvas de insetos. Além disso, ele é uma fonte de alimento para muitas populações ribeirinhas da região.

No entanto, é importante lembrar que o consumo do peixe Candiru pode ser perigoso para a saúde humana. Isso porque ele pode estar contaminado com substâncias tóxicas, além de poder transmitir doenças.

Como evitar o ataque do peixe Candiru

Embora seja difícil evitar completamente o ataque do peixe Candiru, existem algumas medidas que podem ser tomadas para minimizar os riscos. A primeira delas é evitar entrar em águas infestadas pelo peixe, especialmente durante o período de desova.

Outra medida importante é nunca urinar dentro da água, já que isso pode atrair os Candirus. Também é recomendado evitar ficar parado em águas rasas por muito tempo, já que o peixe pode confundir o corpo humano com uma fenda de rocha.

Para evitar o ataque do Candiru, é importante seguir algumas dicas simples, como evitar urinar ou suar dentro da água, usar roupas que cubram todo o corpo, evitar nadar em locais onde o peixe é conhecido por habitar e, se possível, usar redes de proteção.

No entanto, é importante ressaltar que o peixe Candiru é um animal difícil de ser detectado, o que torna a prevenção um pouco mais difícil. Por isso, é sempre importante estar atento aos sintomas e procurar ajuda médica imediatamente em caso de suspeita de ataque.

Dicas para evitar o ataque do Candiru

O Peixe Candiru é um animal perigoso e o seu ataque pode trazer sérios problemas para a saúde humana. Por isso, é importante conhecer maneiras de evitar o contato com esse animal e minimizar os riscos de ser atacado.

Neste tópico, apresentaremos algumas dicas importantes para evitar o peixe Candiru:

  • Evite urinar dentro d’água: o peixe Candiru é atraído pelo cheiro da urina e pode entrar no canal urinário durante o ataque. Por isso, é importante evitar urinar dentro d’água, principalmente em rios e áreas onde se sabe que o Candiru habita.
  • Use roupas adequadas: quando estiver em áreas onde se sabe que o Candiru habita, é importante usar roupas que cubram o corpo, como calças e camisas de manga comprida. Isso ajuda a evitar o contato direto com o animal.
  • Evite nadar em áreas desconhecidas: se você não conhece bem a região onde está nadando, é importante evitar entrar na água. Assim, você evita correr o risco de se deparar com um local onde o Candiru pode estar presente.
  • Mantenha a higiene: a higiene pessoal é fundamental para evitar o ataque do Candiru. Lave bem as mãos e o corpo após urinar ou defecar e, se possível, use sabão para se limpar.

O que acontece se um Candiru entrar na pessoa

Caso um peixe Candiru entre no corpo humano, é importante procurar ajuda médica imediatamente. O peixe é capaz de se alojar em diversas cavidades naturais do corpo causando dor e desconforto extremos.

Além disso, o Candiru é conhecido por ter uma barbatana espinhosa que pode se prender nos tecidos internos do corpo, causando danos e inflamações. Em casos mais graves, pode ser necessário realizar cirurgia para a remoção do animal.

Quando um Candiru entra no corpo humano, ele pode causar uma série de sintomas desagradáveis e até mesmo perigosos. A maioria das pessoas sente dor intensa na área afetada, acompanhada de inchaço e sangramento.

Em casos mais graves, o Candiru pode se alojar em órgãos internos como a bexiga ou o intestino, causando dor e inflamação. Também é possível que o Candiru libere urina em seu hospedeiro, o que pode causar infecções e doenças.

Peixe Candiru sintomas

Os sintomas do ataque do peixe Candiru podem variar dependendo da localização do animal no corpo humano. Alguns dos sintomas mais comuns incluem dor intensa na área afetada, inchaço, sangramento e dificuldade para urinar ou defecar.

Em casos mais graves, os sintomas podem incluir infecções, inflamações e danos aos tecidos internos do corpo. Se você suspeitar que foi atacado por um Candiru, é importante procurar ajuda médica imediatamente para evitar complicações.

Sintomas e Tratamento

Os sintomas de um ataque do peixe Candiru incluem dor intensa, sangramento, dificuldade para urinar e até mesmo desmaios. Em casos mais graves, pode ocorrer infecção chegando até mesmo a morte.

O tratamento para um ataque do Candiru inclui a retirada do peixe do corpo da pessoa, o que pode ser difícil e doloroso. Além disso, é importante procurar ajuda médica imediatamente para tratar os sintomas e prevenir complicações.

Tem Candiru no Pantanal

Embora seja mais comum na região amazônica, também existem relatos de peixes Candirus no Pantanal, especialmente na bacia do Rio Paraguai. No entanto, a presença do animal na região ainda é pouco estudada e não há informações precisas sobre sua distribuição e comportamento.

Algumas áreas do Pantanal, como o Rio Paraguai, são conhecidas por serem habitats naturais do Candiru. Além disso, em algumas comunidades locais, é comum o uso de redes de pesca para capturar o animal.

Por isso, se você pretende visitar o Pantanal, é importante estar ciente dos riscos e tomar as medidas de precaução necessárias para evitar o contato com o Candiru. Além disso, é importante respeitar as comunidades locais e não interferir nas atividades de pesca tradicionais.

Pode comer o Candiru?

Sim, é possível comer o Candiru, mas é importante que ele seja preparado corretamente para evitar a transmissão de doenças. Antes de consumir o peixe, é necessário retirar as escamas, as vísceras e a cabeça. Em seguida, é preciso cozinhá-lo bem, de preferência em água fervente.

No entanto, é preciso lembrar que o Candiru é um animal selvagem e pode estar infectado por doenças. Além disso, o processo de preparação do Candiru é bastante trabalhoso e, por isso, muitas pessoas preferem não consumi-lo.

Apesar de sua reputação perigosa, o peixe Candiru é considerado uma iguaria em algumas regiões da América do Sul. No entanto, é importante ressaltar que o consumo do animal pode ser arriscado, já que ele pode ser portador de doenças e parasitas que podem afetar a saúde humana.

Embora seja consumido por algumas populações ribeirinhas da Amazônia, o peixe Candiru não é considerado seguro para o consumo humano.

Além disso, o peixe Candiru é um animal protegido em alguns países, o que torna o seu consumo ilegal em algumas regiões.

Para que é usado o Candiru?

Na região amazônica, o Candiru é usado principalmente como isca para a pesca. Isso porque o seu odor atrai outros peixes, o que facilita a pesca. Alguns pescadores também o utilizam como alimento.

Peixe Candiru: mitos e verdades

O peixe Candiru é cercado por muitos mitos e lendas, que acabam aumentando o medo e o fascínio em torno do animal. Vamos conhecer algumas das verdades e mentiras mais comuns sobre o Candiru:

  • Mito: O peixe Candiru pode entrar no corpo humano através do ânus de uma pessoa que está nadando.
  • Verdade: Embora seja raro, o Candiru já foi registrado entrando no corpo humano através da uretra de uma pessoa. No entanto, o peixe não é atraído pelo ânus das pessoas, como muitas vezes é divulgado erroneamente.
  • Mito: O peixe Candiru pode beber sangue humano até causar a morte da pessoa.
  • Verdade: Embora o Candiru possa causar muita dor e desconforto quando entra no corpo humano, não há registros de mortes causadas pelo peixe.
  • Mito: O peixe Candiru pode crescer dentro do corpo humano.
  • Verdade: Não há registros de Candirus crescendo dentro do corpo humano. O animal se alimenta do sangue da pessoa, mas não se desenvolve dentro do corpo.

Qual predadores do peixe Candiru

Apesar de ser um animal temido, o peixe Candiru também tem seus predadores na natureza. Diversas espécies de peixes maiores se alimentam do Candiru, como o tucunaré, o piranha e o dourado.

Apresentação dos principais predadores naturais do Candiru

O peixe Candiru, apesar de ser temido pelos humanos, também é alvo de outros predadores naturais no seu habitat natural. Embora o Candiru seja conhecido por sua habilidade de penetrar em outras espécies de peixes e mamíferos, existem outros animais que são capazes de caçá-lo e se alimentar dele. Nesta seção, vamos discutir alguns dos principais predadores do peixe Candiru.

Peixes predadores

Alguns peixes que vivem na mesma região que o Candiru são seus principais predadores naturais. Peixes como o bagre, o tucunaré e a piranha são conhecidos por se alimentarem de Candirus.

Isso se deve principalmente à sua habilidade de nadar mais rápido e possuir uma mordida mais forte, o que lhes dá uma vantagem na hora da caça. Além disso, a piranha é conhecida por sua agressividade, o que faz dela um perigo para o Candiru.

Aves aquáticas

Algumas aves aquáticas, como o mergulhão, também podem se alimentar de peixe Candiru. Essas aves usam sua habilidade de mergulhar na água e nadar para pegar o Candiru, que é uma presa relativamente fácil para elas. Além disso, como as aves aquáticas geralmente se alimentam de pequenos peixes e animais aquáticos, o Candiru faz parte de sua dieta natural.

Répteis

Algumas espécies de répteis, como o jacaré e a sucuri, também são capazes de caçar e comer o Candiru. Embora o Candiru possa penetrar na pele desses animais, sua espessura e força muscular tornam muito difícil para o Candiru penetrar em sua pele e se alojar no corpo deles.

Além disso, répteis como a sucuri têm a capacidade de regurgitar suas presas, o que pode ajudá-los a se livrar do Candiru caso o ingiram acidentalmente.

Seres humanos

Embora os seres humanos não sejam considerados predadores naturais do Candiru, há relatos de que algumas tribos indígenas amazônicas os caçam e os comem. Essas tribos são capazes de capturar o Candiru usando iscas ou armadilhas, e em seguida, cozinham ou assam o peixe antes de comê-lo.

No entanto, é importante ressaltar que o consumo do Candiru pode ser perigoso para os seres humanos, já que o peixe pode carregar doenças e parasitas.

O peixe Candiru, apesar de ser temido pelos seres humanos, é apenas uma das muitas espécies que compõem a fauna da região amazônica. Como vimos, existem outros animais que são capazes de caçar e se alimentar do Candiru, incluindo peixes, aves aquáticas, répteis e até mesmo algumas tribos indígenas.

No entanto, é importante lembrar que o Candiru ainda é considerado um animal perigoso para os seres humanos e deve ser evitado sempre que possível.

Desmistificação de algumas lendas urbanas sobre o peixe Candiru

O peixe Candiru é conhecido como um animal perigoso e que causa bastante medo nas pessoas, principalmente naquelas que vivem próximas a rios e riachos onde o animal pode ser encontrado. No entanto, muitas lendas urbanas surgiram a respeito desse peixe, gerando mitos que são considerados verdadeiros por muitas pessoas. Neste tópico, vamos esclarecer alguns desses mitos e verdades sobre o peixe Candiru.

Peixe Candiru saindo de homem

Um dos mitos mais comuns é que o peixe Candiru pode entrar no corpo humano através das partes íntimas e se alojar na bexiga ou nos órgãos internos, saindo posteriormente do corpo da pessoa, causando ferimentos graves. No entanto, essa história não passa de uma lenda urbana que nunca foi comprovada.

O peixe Candiru é atraído pelo odor da urina, mas sua preferência é pelos peixes maiores que se encontram nos rios e riachos onde ele habita. Além disso, o tamanho do animal é incompatível com a capacidade de entrar no corpo humano pela uretra, como muitas vezes é sugerido.

Candiru dentro da pessoa

Outro mito bastante difundido é o de que o peixe Candiru pode se alojar dentro do corpo humano, geralmente na bexiga ou no trato urinário, causando sérios problemas de saúde. No entanto, essa possibilidade é bastante improvável, uma vez que o animal não tem a capacidade de subir pelo trato urinário.

Embora existam relatos de ataques de Candiru em humanos, esses incidentes são raros e geralmente acontecem quando o animal é atraído pela urina ou pelo cheiro do sangue. Nessas situações, o Candiru pode se alojar nas brânquias do peixe ou em outras partes externas do corpo humano, como a pele, mas nunca dentro do corpo.

Peixe Candiru devora homem

Outra lenda urbana bastante difundida é a de que o peixe Candiru é capaz de devorar um homem inteiro. No entanto, essa história também não passa de um mito.

O peixe Candiru é um animal pequeno, que não costuma ultrapassar os 17 centímetros de comprimento. Embora seja capaz de causar danos consideráveis a outros peixes, o Candiru não é capaz de devorar um ser humano inteiro.

Peixe Candiru devorador

Embora o peixe Candiru não seja capaz de devorar um ser humano inteiro, ele pode ser considerado um devorador de outros peixes. O Candiru é um animal parasita, que se alimenta do sangue e dos fluidos dos outros peixes.

Para capturar suas presas, o Candiru utiliza suas brânquias, que são capazes de detectar o odor da urina dos peixes. Quando localiza uma presa, o animal penetra nas brânquias do peixe e se alimenta do seu sangue e de outros fluidos.

Peixe Candiru do Rio Madeira

O Rio Madeira é um dos principais rios da Amazônia e abriga uma grande variedade de espécies de peixes, incluindo o Candiru. No entanto, assim como em outras regiões, o Candiru não é uma ameaça constante aos banhistas e pescadores que frequentam o rio.

Mesmo assim, é importante ter cuidado ao nadar ou mergulhar em rios desconhecidos, especialmente se você não conhece as espécies de peixes que habitam a região. Além disso, é recomendável evitar nadar em locais onde o Candiru já foi avistado anteriormente.

A Importância de conhecer e se prevenir contra o peixe Candiru

Após todas as informações apresentadas neste post, é possível perceber a importância de conhecer e se prevenir contra o peixe Candiru. Afinal, este animal pode causar graves danos à saúde humana.

É importante lembrar que o Candiru é um animal nativo da região amazônica e pode ser encontrado em rios da América do Sul. Apesar de ser conhecido por ser um animal perigoso, a maioria dos casos de ataques ocorre quando os humanos invadem o habitat natural do animal ou realizam práticas inadequadas no ambiente aquático, como urinar dentro do rio.

Para evitar o ataque do Candiru, é preciso seguir algumas dicas importantes, como evitar urinar dentro do rio, utilizar roupas adequadas para proteger as partes íntimas e não pescar em locais onde há a presença do animal.

Além disso, é preciso desmistificar algumas lendas urbanas que envolvem o peixe Candiru, como o fato de ele ser capaz de subir pela uretra masculina e ficar alojado dentro do corpo humano. Isso é um mito e não há relatos confirmados de casos desse tipo.

Outro ponto importante é que, apesar de ser comestível, é preciso ter cuidado ao consumir o Candiru, pois ele pode ser portador de parasitas e doenças. Por isso, é importante comprar o animal de fontes confiáveis e prepará-lo de forma adequada.

Em resumo, o peixe Candiru é um animal perigoso e que deve ser tratado com cautela. Conhecer suas características, formas de ataque e prevenção é fundamental para evitar acidentes e garantir a segurança daqueles que frequentam as águas onde o animal pode ser encontrado.

Curiosidades sobre o Peixe Candiru

A principal curiosidade sobre esta espécie seria a sua suposta capacidade de invadir a uretra humana para se nutrir, assim como faz com outros peixes.

Dessa forma, em 1997 houve um caso no município brasileiro de Itacoatiara, em que o Peixe Candiru “pulou” da água para dentro da uretra de um banhista.

A vítima foi um homem de 23 anos que nadava no rio e teve que passar por uma cirurgia urológica que durou cerca de duas horas, a fim de remover o peixe do corpo.

No entanto, há pouquíssimas informações sobre o incidente e este foi o único caso registrado de Candiru que entrou na uretra humana.

Além disso, há histórias escandalosas de ataques a seres humanos que não foram confirmadas, sendo nomeado no final como mito ou superstição.

De acordo com John Bertram, um especialista em biomecânica da Universidade de Calgary em Alberta, Canadá, é improvável que o Candiru de fato tenha pulado até a uretra da vítima.

Basicamente o peixe deveria nadar mais rápido do que o fluxo do rio. Aliás, ele deveria se erguer para fora da água contra a gravidade, ou seja, é difícil que o animal consiga pular até a uretra.

Mas mesmo assim, os nativos da região amazônica temem muito o peixe que supostamente é atraído pelo fluxo da urina de banhistas nus e entra na uretra.

Nestas regiões há até uma cura tradicional que é feita com o uso de duas plantas a Xagua (Genipa americana) e um tipo maçã. Com isso, o extrato é inserido na área afetada e tem por função dissolver o peixe.

De modo geral, tenha cuidado porque se acredita que após a entrada do peixe na uretra, ele pode causar sérias infecções. Mas não fique preocupado porque as chances são mínimas, bem como Bertram explicou.

Espécies de Candirus que se alimentam de algas

Dentro da família dos Candirus, existem algumas espécies que são algívoras comedores de algas e estão restritas à região da Bahia, na Chapada Diamantina. Ângela Zanata, professora da Universidade Federal da Bahia, publicou um artigo muito interessante com seu aluno de mestrado sobre a história natural de uma dessas espécies: Copionodon pecten.

Os juvenis dessa espécie são diurnos, e os adultos são noturnos. Além da diferença no tempo de atividade, os animais sofrem algumas mudanças morfológicas durante o crescimento.

Odontódes

Os Trichomycteridae livres são conhecidos em algumas partes do Brasil como “cambeva”, “bagre-mole” e outros nomes derivados. São bagres alongados e podem ser reconhecidos pela presença de “espinhos”, chamados odontódes no interopérculo, no lado e na parte inferior da cabeça. A presença de odontodes é uma característica de uma superfamília chamada LORICARIOIDEA, que inclui os Cascudos, Candirus, Cambevas, Corydoras e algumas famílias menores.

Os odontodes dos Trichomycteridae fornecem uma excelente ferramenta para ancoragem no substrato para segurar o corpo contra a corrente, uma vez que esta família perdeu suas espinhas no peito e na nadadeira dorsal. As Cambevas podem até escalar paredes de rocha onde há água corrente, como cachoeiras, e acredita-se que elas façam migrações em algumas épocas do ano, especialmente na enchente.

Em algum momento da evolução, alguns membros da família Trichomycteridae adotaram uma estratégia mais ousada: os mesmos odontódios usados ​​para ancorar no substrato contra a correnteza servem para se prender a animais maiores.

Por exemplo, membros da subfamília Stegophilinae, que se alimentam de muco e escamas de outros peixes. Eles usam os odóntodes para se ligarem ao hospedeiro enquanto mordem a pele ou as escamas em busca de muco e fluidos corporais.

Outra linhagem relacionada foi ainda mais longe na evolução e se especializou em se esgueirar pelas brânquias de outros peixes usando os odontódios e mordendo as artérias que alimentam os arcos branquiais.

Esses são os Vandelliinae, o verdadeiro Candiru ou peixe peixes-vampiro. Como a pressão sanguínea nas artérias é alta, o Candiru simplesmente morde e espera passivamente que o sangue entre em seu trato digestivo, que se enche rapidamente como um balão de sangue.

Após saciado o Candiru se retiram das brânquias e se enterra no substrato até completar a digestão e ficar com fome novamente, quando sai a procura de um novo hospedeiro.

Mas como é que o Candiru sabe como entrar na brânquia do hospedeiro?

Os peixes excretam compostos nitrogenados (no caso, amônia) pelas brânquias e supõe-se que os Candirus utilizem a amônia com o indício de onde tem que ir até achar a brânquia. Mas se ao invés de amônia, existir um fluxo de outro composto nitrogenado saindo de um animal dentro da água? Será que um Candiru faminto poderia se enganar?

Essa é a teoria para explicar os acidentes que fazem a malfadada fama dos Candirus. Ao urinar descuidadamente dentro do rio, um banhista poderia estar sinalizando a um Candiru que ali poderia haver uma brânquia e o bagrinho, achando o orifício de onde sai a urina, adentraria uretra acima usando seus odontódeos e movimentos do corpo para abrir caminho.

Apesar de fazer muito sentido, essa ainda é apenas uma teoria que precisa de comprovação.

Os acidentes não terminam bem para nenhum dos envolvidos, o Candiru morre poucos segundos após a incursão, afinal, não há água dentro da uretra para e respirar, e devido aos odontódeos, é impossível retirar o animal da uretra sem um procedimento cirúrgico.

É importante observar que esses acidentes são raríssimos. Se levarmos em consideração a abundância de Candirus nos rios neotropicais que é bastante alta e a quantidade de pessoas que toma banho corriqueiramente nos rios, os casos não são muitos frequentes. Realmente é um acidente. O peixe entra na uretra por engano e acaba morrendo. Não fazendo parte do ciclo de vida dos Candirus atacarem humanos.

Além disso, se a pessoa estiver usando trajes de banho sunga, biquini, as chances de acidentes são praticamente nulas. Assim pode tomar banho de rio a vontade, contanto que estejam devidamente trajados, é claro.

Considerações finais sobres os Candirus

Viu só como a evolução é linda? De uma família que você tem representantes algívoros passando pela maioria que são de ida livre e insetívoros você consegue ter adaptações para o parasitismo de muco e escamas e o máximo da evolução do parasitismo nesse grupo é a hematofagia em brânquias de peixes maiores. Esses são os Candirus.

Informações sobre o Peixe-candiru no Wikipédia

Enfim, gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Veja também: Pesca esportiva: conheça a história dessa modalidade!

Visite nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Youtube Video

Caixa de Comentários do Facebook

Deixe um comentário