Início Peixes Peixe Atum: curiosidades, espécies, dicas de pesca e onde encontrar

Peixe Atum: curiosidades, espécies, dicas de pesca e onde encontrar

por Otávio Vieira

Peixe Atum é um nome vulgar que pode representar 12 espécies do gênero Thunnus e mais duas espécies da família Scombridae, que seriam animais importantes na pesca. O peixe atum é veloz seu corpo esguio é como um torpedo que ajuda a agilizar seus movimentos através da água, e seus músculos especiais ajudam a cruzar os oceanos com muita eficiência.

Também devido ao seu grande porte ocupa uma posição superior na cadeia alimentar, além disso este animal possui ótimas características na natação e é conhecido como uma das espécies mais consumidas na gastronomia mundial. Embora tenha várias propriedades que trazem benefícios para a saúde humana, seu aumento na pesca pode significar sua extinção como espécie.

O atum é um impressionante peixe selvagem, que pode chegar a pesar mais do que um cavalo. Ele poder nadar distâncias incríveis enquanto migram. Alguns atuns nascem no Golfo do México, atravessam todo o Oceano Atlântico para se alimentar na costa da Europa e, em seguida, nadam todo o caminho de volta para o Golfo para se reproduzir.

Por exemplo, no ano de 2002 foram pescados mais de seis milhões de toneladas de atuns em todo o mundo. Nesse sentido, prossiga a leitura e conheça detalhes de todas as espécies, características similares, reprodução, alimentação e curiosidades. Também será possível conferir as principais dicas de pesca.

Classificação:

  • Nomes científicos – Thunnus alalunga, T. maccoyii, T. obesus, T. orientalis, T. thynnus, T. albacares, T. atlanticus, T. tonggol, Katsuwonus pelamis e Cybiosarda elegans.
  • Família – Scombridae.

Espécies de Peixe Atum

A princípio, saiba que o gênero Thunnus é dividido em dois subgêneros.

Subgênero Thunnus (Thunnus)

O primeiro Subgênero abriga 5 espécies, entenda:

Thunnus alalunga

A primeira seria a Thunnus alalunga, classificada no ano de 1788 e que tem por nome vulgar Albacora na língua inglesa.

Também é uma espécie que atende por Avoador, Atum albino, Atum-branco e Asinha, na Angola. O último nome se dá pelo fato de que o peixe tem duas barbatanas peitorais longas. Outros nomes vulgares seriam Carorocatá e Bandolim, que são usados em nosso país, bem como Peixe-maninha que é comum no Cabo Verde.

Neste caso, esta espécie recebe o nome científico de Thunnuh alalunga, outro nome atribuído a ela é bonito do norte. Esta espécie é conhecida por apresentar uma textura forte de acordo com o seu corpo, e difere de outras espécies de atuns, pois neste caso o alalunga possui uma nadadeira peitoral maior, por isso é descrito sob o nome de alalunga. Esta espécie mede cerca de 140 centímetros e pesa cerca de 60 quilos.

Há informações que comprovam que esta espécie é uma das mais expostas à captura, pois os consumidores afirmam que seu sabor é de alta qualidade, assim como a consistência e textura de sua carne para evitar danos a ela. É peixe com anzol, por por isso, na maioria dos casos, é capturado no mar Cantábrico. Portanto, é uma parte importante do comércio da indústria do Atum. Por sua vez, predomina a movimentação nas águas do Mar Mediterrâneo, este alalunga habita profundidades rasas e sabe-se que no final do mês de maio se prepara para migrar, o mais comum é que se dirija ao Golfo da Biscaia.

Segundo especialistas, esta espécie encontra-se atualmente em estado de conservação que apresenta baixo risco, mas ainda quase ameaçada quanto ao perigo de extinção.

O Thunnus maccoyii

Em segundo lugar, temos a espécie Thunnus maccoyii, que foi catalogada no ano de 1872.

Sobre esta espécie de Peixe Atum, sabe-se que pode estar somente na parte sul de todos os oceanos, por esse motivo, seu nome vulgar é Atum-do-sul. Além disso, devido o seu comprimento de 2,5 m, este seria um dos maiores peixes ósseos que não foi extinto.

Há também a espécie classificada em 1839 e nomeada por Thunnus obesus. Dentre os diferenciais, este animal habita águas com temperaturas entre 13° e 29 °C, tal como tem um bom valor no mercado. No Japão, por exemplo, o animal é usado na culinária como “sashimi”.

Thunnus orientalis

Thunnus orientalis seria a quarta espécie de 1844 e habita o Oceano Pacífico norte.

Esta não é uma espécie comum em nosso país, por isso, não há nomes vulgares em português, ainda que a pesca de atum da Califórnia tenha começado pelos portugueses. E o que diferencia a espécie seria a sua postura de um dos principais predadores dos ecossistemas oceânicos.

O Thunnus thuynnus

Por fim, Thunnus thynnus seria uma espécie que está presente no Oceano Atlântico e foi classificada em 1758. Sua carne também é muito usada na culinária japonesa e por esse motivo, a espécie é criada em instalações de aquacultura.

Também conhecida pelo seu nome científico como Thunnus thuynnus, esta espécie mede no máximo três metros de comprimento, na maioria dos casos pesa cerca de 400 quilos, mas sabe-se que os indivíduos chegam aos 700 quilos.

Como característica principal, afirma-se que iniciam a sua migração para se reproduzirem, sendo este processo realizado no verão onde a temperatura das águas muda, em relação ao anterior, o mais comum para este tipo é que o façam em as águas do Mar Mediterrâneo.

Peixe Atum pode representar mais de oito espécies que são muito relevantes para o comércio em todo o mundo.

Subgênero Thunnus (Neothunnus)

Já o segundo Subgênero de Peixe Atum é composto por 3 espécies, conheça:

Thunnus albacares

Thunnus albacares é uma espécie que foi catalogada em 1788 e pode ter diferentes nomes vulgares: Yellowfin, geralmente usado na língua inglesa, Atum-amarelo, Albacora-da-lage, Albacora-cachorra, Atum-oledê, Atum-de-galha-à-ré, Rabo-seco e Rabão. Outras características importantes seriam o crescimento rápido e a expectativa de vida de 9 anos de idade.

Bastante conhecida é o Atum albacora, no aspecto científico é chamado de Thunnus-albacres, este animal está distribuído em águas tropicais ao redor do mundo, vive sempre em profundidades rasas no mar. Em relação ao seu tamanho, pode chegar a 239 centímetros e mantém um peso de 200 quilos. Atualmente esta espécie encontra-se em estado de conservação que representa baixo risco e quase ameaçada de extinção.

Ao contrário de outras espécies de Atum, o Atum albacora é mais estilizado, da mesma forma que sua cabeça e olhos são menores em comparação. Por sua vez, apresentam a particularidade de a segunda barbatana dorsal ser geralmente mais longa, à semelhança do que acontece com a barbatana anal.

Por outro lado, também é conhecido por apresentar as cores azul e amarelo nas bandas laterais localizadas na sua zona dorsal, o seu ventre é normalmente de cor prateada, tal como o Atum comum, só que no caso desta espécie existem alguns pequenos listras verticais, que são alternadas por pontos. A segunda barbatana dorsal e a barbatana anal também apresentam tons de amarelo, o que lhe confere o nome característico desta espécie de Atum.

Thunnus atlanticus

A segunda espécie é Thunnus atlanticus de 1831, que habita o Oceano Atlântico ocidental e tem os seguintes nomes vulgares por conta de sua cor: Atum-negro, Albacorinha, Albacora-preta e Atum-barbatana-negra.

Thunnus tonggol

E finalmente temos a Thunnus tonggol, classificada em 1851 e que tem vários nomes vulgares como, por exemplo: Atum tongol, Atum-do-índico e Bonito-oriental.

Outras espécies consideradas Atum

Além das 8 espécies que citamos acima, existem outras que não pertencem ao gênero, mas sim à mesma família. E devido suas características, estes indivíduos também são nomeados como “Peixe Atum”.

Dentre elas, cabe citar a existência da Katsuwonus pelamis, que tem grande valor comercial e é uma espécie que forma cardumes logo na superfície de regiões tropicais de todos os oceanos.

Portanto, dentre seus nomes vulgares, vale citar gaiado, barriga-listada, bonito-de-ventre-raiado, atum-bonito e atum judeu. Inclusive, a espécie representa cerca de 40% do total das pescas mundiais de Atum.

E para encerrar, há a espécie Cybiosarda elegans que tem por nomes vulgares Atum-foguete e Atum-dente-de-cão.

Peixe Atum pode representar mais de oito espécies que são muito relevantes para o comércio em todo o mundo.

Características do peixe Atum

Bom, agora podemos mencionar as similaridades de todas as espécies de Peixe Atum:

Os atuns têm um corpo arredondado, esguio e aerodinâmico, que se afunila em uma junção fina com a cauda. Sua estrutura é adequada para manter a velocidade durante o nado. As nadadeiras peitorais se dobram em sulcos no corpo e seus olhos ficam nivelados com a superfície do corpo.

A força motriz é fornecida por uma cauda bifurcada e musculosa. Em cada lado da base da cauda existem quilhas ósseas formadas por extensões das vértebras caudais. O desenho da cauda e a forma como os tendões a ligam aos músculos da natação são muito eficientes.

O design do corpo é reforçado por um sistema vascular bem desenvolvido sob a pele, mantém a temperatura do corpo acima da água em que o animal nada. Isso aumenta a força dos músculos e acelera os impulsos nervosos.

Os atuns têm dorso azul brilhante, barriga cinza salpicada de prata e se assemelham à cavala em sua estrutura geral. Eles diferem de outros peixes, no entanto, pela presença de uma série de finlets localizados atrás da segunda nadadeira dorsal e da nadadeira anal.

Quando mordem a isca, resistem com tenacidade, o que os torna muito populares entre os pescadores esportivos. Durante os meses de julho a setembro, com algumas variações consoante a espécie em por causa da latitude, os atuns aproximam-se das águas costeiras para desovar, regressando às águas profundas no início do inverno.

Eles migram grandes distâncias para alcançar seus locais de desova e alimentação. Um peixe marcado na costa da Califórnia (EUA) foi capturado no Japão dez meses depois. Como os atuns carecem de mecanismos para manter o fluxo de água através de suas brânquias, eles devem permanecer em constante movimento, se pararem de nadar, morrem de anóxia.

Principais características do Atum-rabilho

O Atum-rabilho tem a capacidade de nadar normalmente a uma velocidade de 3 quilómetros por hora, chegando mesmo a atingir os 7 quilómetros por hora. Embora em ocasiões em que seja necessário aumente consideravelmente a sua velocidade até aos 70 quilómetros por hora.

São conhecidos alguns casos em que podem ultrapassar 110 quilômetros por hora, na maioria das vezes são viagens de curta distância. Entre suas principais habilidades está a capacidade de percorrer longas distâncias quando estão prontos para realizar suas migrações para se reproduzir.

No caso das viagens de longa distância, o Atum percorre aproximadamente 14 quilómetros e até 50 quilómetros por dia. Este tipo de viagem costuma durar cerca de 60 dias, dependendo do caso. Por outro lado, em termos de profundidade do seu mergulho, sabe-se que atingem os 400 metros quando submersos no mar. Esses peixes costumam nadar formando cardumes com numerosos indivíduos da mesma espécie.

Esses animais não dormem ou descansam como é conhecido em outras espécies, por isso são conhecidos por se manterem em constante movimento. Por sua vez, ter esses movimentos em seus corpos facilita o consumo do oxigênio necessário para sua respiração. Da mesma forma, os Atuns nadam com a boca aberta para enviar água às guelras de onde extraem o oxigénio de que necessitam, é assim que funciona o seu sistema respiratório. Outro fato marcante sobre esta espécie é que, de acordo com os estudos realizados sobre o Atum, a média calculada como sua vida útil é de cerca de 15 anos, dependendo do tipo.

Entenda a anatomia do Atum-rabilho

Em linhas gerais, para falar da anatomia do Atum, antes de tudo, deve-se levar em conta que seu corpo tem um aspecto fusiforme e geralmente consistente, com uma textura que o mantém firme e forte. Por sua vez, estes peixes apresentam duas barbatanas dorsais, muito separadas, sendo a primeira suportada por espinhos e a segunda por suaves riscas.

Por outro lado, seu corpo é oval e totalmente coberto por pequenas escamas. Seu dorso tem tons de azul escuro, e no caso do ventre é uma cor prateada mais clara, e suas nadadeiras do mesmo formato são cinza em tons diferentes. Por sua vez esses animais não possuem manchas, por isso tem vantagem de se misturar com o ambiente aquático graças às suas cores, já que os tons lembram as cores das profundezas do oceano. Em tamanho têm um comprimento de 3 a 5 metros dependendo da espécie, e seu peso chega a 400 quilos, havendo até casos em que pesam 900 quilos.

Processo de reprodução do peixe Atum

Para a reprodução do Peixe Atum, as fêmeas geram uma grande quantidade de ovos planctônicos. Esses ovos se desenvolvem em larvas pelágicas.

Sabe-se que esses animais atingem a maturidade sexual aos quatro ou cinco anos, dependendo da espécie. Quando medem de um a um metro e meio e pesam entre 16 e 27 quilos.

Para iniciar o processo de reprodução no Atum, primeiro a fêmea expele seus pequenos ovos para o mar aberto, essa ação é conhecida nos peixes como desova. Em geral, essas espécies fixam um local específico para desovar, ou seja, se continuarem nadando para se reproduzir, retornam ao local inicial.

Assim, por seu lado, a fêmea é capaz de deixar cerca de 6 milhões de ovos numa única desova. Isto depende do tamanho da espécie que é o caso, visto que o Atum é conhecido por ser grande, é por esta razão que se originam tantos ovos.

Agora, uma vez que os óvulos estão na água, eles só serão fertilizados quando o macho decidir expulsar seus espermatozoides no mar para fertilizá-los. Isso resulta em pequenas larvas eclodindo desses ovos nas próximas 24 horas.

A principal característica desses pequenos ovos é que eles medem apenas um milímetro de diâmetro e também são cobertos por uma espécie de óleo cuja função é ajudá-los a flutuar na água enquanto são fertilizados.

Desde o nascimento até à idade adulta, o Atum pode crescer muito em relação ao seu tamanho inicial. É também importante notar que neste processo apenas um par de larvas dos milhões que foram produzidos atingem a fase adulta. Isto ocorre porque sendo tão pequenos estão sujeitos a outros predadores muito maiores no mar comendo as pequenas larvas, pode até ser o mesmo Atum. Assim, em geral, essas larvas apresentam grandes ameaças que nem todas superam.

Alimentação: o que come o Atum?

O Peixe Atum é um predador ativo e costuma nadar em cardumes para atacar suas presas. O animal é tão determinado que pode caçar em áreas subpolares ou com a profundidade maior que 200 m. Dessa forma, come os peixes de pequeno porte e as lulas.

Por serem conhecidos por manter uma atividade física intensa, os Atuns precisam ser alimentados da melhor forma para compensar a energia que perdem ao nadar. Portanto, sabendo o que come o Atum, devemos nos atentar para o fato de que sua dieta é baseada em algumas espécies de peixes, crustáceos e alguns moluscos. Deve-se notar que eles consomem grandes quantidades de alimentos, comendo pelo menos um quarto do seu próprio peso por dia.

Confirma-se que graças à sua capacidade de nadar têm maior vantagem para perseguir e caçar as suas presas sem muito esforço do que aplicar um pouco de velocidade. Por isso o Atum alimenta-se maioritariamente do que está ao seu alcance no mar. Por esta razão são considerados predadores habilidosos de espécies menores.

Curiosidades sobre o peixe

Uma das principais curiosidades sobre o Peixe Atum seria o seu sistema vascular. Este sistema aumenta a temperatura do corpo do peixe e isso significa que ele é endotérmico.

Em outras palavras, o animal consegue controlar a temperatura de seu corpo e faz grandes migrações pelo oceano. Assim, consegue nadar até 170 km diariamente.

Outro ponto curioso seria a conservação das espécies de Atum. Graças à enorme demanda comercial, os pescadores passaram a fazer grandes pescas predatórias que ameaçam a vida das espécies. Nesse sentido, há algumas organizações internacionais que têm por objetivo preservar os animais.

Portanto, alguns exemplos de organizações seriam a Conservação dos Atuns do Atlântico ou a Comissão Inter-Americana para os Atuns Tropicais.

Estes animais marinhos extraordinários também são parte integrante da dieta de milhões de pessoas e é um dos peixes mais valioso comercialmente. O atum é uma iguaria muito procurada para o sushi e sashimi na Ásia, um único peixe pode chegar a ser vendido por mais de $ 700,000! Impulsionado por preços tão altos, os pescadores usam técnicas mais refinadas para capturar atum. E como resultado os peixes estão desaparecendo dos mares.

É importante lembrar que o atum vendido no supermercado e o atum. Cerca de 70% do atum enlatado e ensacado são atuns voadores. O atum albacora pode ser encontrado fresco, congelado ou enlatado.

peixe atum thunnus alalunga 01

Habibat: onde encontrar o peixe Atum

Como você pôde conferir logo no primeiro tópico, o habitat varia de acordo com a espécie. Mas, no geral, os indivíduos vivem em regiões tropicais e subtropicais de todos os oceanos.

Por sua vez, o Atum costuma ser encontrado em águas com altas temperaturas. Este seria o seu habitat ideal, ou seja, onde a temperatura é superior a 10°C, depois entre 17°C e 33°C.

O Atum é conhecido por habitar mais em mar aberto do que perto das costas. Em geral, a maioria das espécies permanece na camada superior do mar, ou seja, em profundidades rasas, onde a água ainda tem temperatura morna e as correntes marítimas são um pouco mais intensas, é aí que elas se beneficiam em termos de sua dieta. Segundo estudos, esses peixes continuam nadando formando cardumes, geralmente vivem dessa forma.

Entenda com ocorre a pesca do Atum

Os atuns são pescados tanto no Atlântico como no Pacífico, e há sinais claros de superexploração. Um óleo é extraído do fígado da maioria das espécies e é frequentemente usado para tratar o couro.

A carne de Atum-rabilho é muito apreciada, destacando-se o seu elevado preço no mercado japonês, onde é a base para a preparação do sashimi, prato típico de peixe cru. Na Espanha, uma forma muito apreciada de preparação de Atum-rabilho é uma forma de lombo de peixe salgado semi conservado chamado mojama. No entanto, a forma mais comum de consumir o atum é enlatado.

O atum é pescado com uma grande variedade de apetrechos, que vão desde alguns tipicamente artesanais, como as varas e o corrico, até às redes de cerco ou redes de emalhar industriais, utilizadas pelos grandes atuneiros. O Atum-rabilho também é capturado por espinhel de superfície e por um método tradicional das costas do Atlântico Sul e Mediterrâneo chamado almadraba.

Informações sobre o consumo do Atum

Em relação ao consumo, é que o Atum é muito apreciado na gastronomia a nível mundial, são muitas as sociedades que consideram este peixe como parte da sua alimentação, pelo que o consumo é aumentado. Por sua vez, o comércio de Atum no continente asiático tem aumentado o desenvolvimento deste mercado a nível mundial. Pode-se tomar como exemplo específico o consumo no Japão que teve repercussão mundial com o prato popular como o sushi.

Os dados disponíveis em relação à pesca do Atum indicam que apenas no ano de 2007 foram capturadas quatro milhões de toneladas deste peixe, sem dúvida este número é alarmante, pois ao longo dos anos só continua a aumentar. Em relação aos dados anteriores, os estudos mostraram que apenas 70% dessas capturas foram feitas no Oceano Pacífico, por sua vez, 9,5% pertencem ao Oceano Índico e os outros 9,5% da pesca eram do Oceano Atlântico e parte do o do mar Mediterrâneo.

Por outro lado, a espécie mais comum neste tipo de pesca é o bonito-de-barriga-riscada, conhecido pelo seu nome científico Katsuwonus pelamis, que representou 59% das capturas. Outra espécie comumente capturada é o Atum albacora, que representa 24% do total de peixes.

Sem dúvida, pelas características da sua gastronomia, o principal país consumidor de Atum é o Japão, pois este peixe está entre os principais ingredientes dos pratos mais importantes, mas sabe-se também que Taiwan, Indonésia estão entre os principais consumidores e as Filipinas.

Dicas para pesca do peixe Atum

Para a captura do Peixe Atum, o pescador deve usar varas de ação média a pesada, assim como as linhas de 10 a 25 lbs. Use uma carretilha ou molinete, porém o ideal é que o equipamento armazene 100 m de linha com 0,40 mm de diâmetro. Por outro lado, use anzóis com números entre 3/0 e 8/0.

E com relação às iscas naturais, você pode optar pelas lulas ou peixes pequenos. Já as iscas artificiais mais eficientes são as lulas e plugs de meia água.

Portanto, como dica final, lembre-se de que o Atum tem muita força e briga até cansar. Dessa forma, você precisa deixar o equipamento bem regulado.

Informações sobre o Peixe-atum no Wikipédia

Gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Veja também: Anzol, veja como é fácil escolher o apropriado para pescaria

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Youtube Video

Caixa de Comentários do Facebook

Deixe um comentário

1 comentário

Hudson Tavares 28 de janeiro de 2021 - 23:59

Gostaria de saber se o Atum é peixe de escama ou de pele?

Responder