Início AnimaisAves Flamingos: Descubra os segredos e curiosidades fascinante dessa ave

Flamingos: Descubra os segredos e curiosidades fascinante dessa ave

por Otávio Vieira

O flamingo, com sua silhueta esguia e coloração rosada, é uma das aves mais icônicas e admiradas do mundo. Desde antigos hieróglifos egípcios até a cultura pop contemporânea, a imagem dessa ave transcendeu o tempo, tornando-se um símbolo de elegância e exuberância. Mas, além de sua inconfundível aparência, quais são as particularidades que tornam os flamingos tão fascinantes?

Antes de mergulharmos no universo desta ave, é vital reconhecer que o animal não é apenas um, mas composto por diversas espécies que habitam regiões distintas ao redor do planeta. Cada uma delas possui suas características únicas e adaptações específicas ao ambiente em que vive.

A alimentação destas aves, rica em carotenoides, não é apenas uma curiosidade, mas desempenha um papel vital na determinação da intensidade de sua cor. Esta relação entre dieta e aparência é um dos aspectos mais intrigantes da biologia do flamingo.

Seu habitat, frequentemente associado a regiões de água salina ou alcalina, revela o quão bem adaptadas estas aves estão para sobreviver em ambientes que muitas outras espécies achariam inóspitos. Estas áreas, muitas vezes, são repletas de desafios e riquezas em termos de biodiversidade.

A reprodução e o cuidado parental também são áreas de profundo interesse. Do ritual de acasalamento até o nascimento dos filhotes, o ciclo reprodutivo da ave é um espetáculo à parte.

Convidamos você a nos acompanhar nesta jornada, explorando cada faceta deste pássaro magnífico. Prepare-se para descobrir curiosidades, entender comportamentos e se encantar ainda mais por uma das mais belas criações da natureza. Vamos juntos desvendar os mistérios dos flamingos!

Descrição e características do flamingo

A característica corporal do flamingo é ser uma ave atarracada e alta, dependendo da espécie que for, pode pesar entre 1,2 kg e 4 kg, o comprimento de sua altura fica entre 1 metro e 1,5 metros e pode atingir até 60 km. /h onde por sua vez possui envergadura que varia entre 120 cm a 170 cm de comprimento.

Possui patas e pescoço muito comprido, além de um bico muito singular, longo e grosso, sendo a parte superior menor que a inferior e curvando-se para baixo a partir do meio, possui pequenas placas que têm a função de filtrar a lama e manter a comida dentro da boca, o que permite perfeitamente olhar dentro da lama em busca de comida.

O flamingo possui quatro dedos em cada perna, sendo três colocados na frente e unidos por uma membrana de pele e atrás um dedo menor adicional.

Cores e plumagem da ave

A plumagem da espécie é rosa mas pode variar em termos de intensidade de cor, por exemplo o flamingo da Europa tem uma plumagem rosa muito clara que pode chegar ao branco e o flamingo caribenho tem a plumagem de uma cor rosa muito forte como o salmão.

O bico possui uma diversidade de cores como a base sendo rosa em diferentes tonalidades, no centro pode ser amarelo ou laranja e na ponta terá sempre uma cor preta intensa.

Após a eclosão, os filhotes da ave apresentam plumagem totalmente branca, mas à medida que amadurecem, ela vai ficando cada vez mais escura, chegando a uma cor quase vermelha, que obtêm a partir da pigmentação carotenoide dos alimentos que comem.

A intensidade de sua cor irá variar dependendo do estado de saúde da ave e de sua dieta, portanto, se sua dieta for completa e saudável, a cor de suas penas pode tornar-se vermelho carmesim no caso do flamingo do Caribe; mas se o pelo for branco ou muito opaco, significa que está doente ou com algum tipo de desnutrição.

O flamingo pode ter uma vida longa dependendo do tipo de vida que possui, isto é, se está em seu habitat natural ou se vive em cativeiro. No primeiro caso verificou-se que pode viver entre 25 e 30 anos se as condições ambientais o permitirem. Entretanto, no caso de estar em cativeiro pode viver longos 50 anos, nos quais gozará de rigoroso controlo veterinário, além de uma alimentação balanceada e um habitat adequado para viver com tranquilidade e de forma adequada.

flamingo

flamingo

Distribuição de flamingos

O flamingo é uma ave que precisa estar cercada por grandes áreas cobertas de água não muito profundas, onde geralmente são de água salgada localizadas ao nível do mar ou a uma altura máxima de 5.000 metros acima do nível do mar, onde podem ser encontrados indivíduos desta espécie em qualquer um dos continentes do mundo, exceto na Austrália.

Também podem ser vistos habitando a Cordilheira dos Andes e em muitas áreas geográficas pertencentes à América do Sul e outras áreas deste mesmo continente, bem como na Ásia, África e Europa com exceção do continente Oceania e ao redor da Antártica.

A ave mantém uma condição muito importante no que diz respeito à sua distribuição: só pode estar localizado em regiões de clima tropical e subtropical, por isso é tão difícil encontrá-los desde que se aproxime da parte mais meridional ou norte do nosso planeta.

Muitos estudos científicos demonstraram que ao encontrar restos fósseis do flamingo noutras zonas do mundo, concluiu-se que este poderia até habitar o que hoje conhecemos como Austrália, mas com o tempo a sua distribuição foi reduzida a outras áreas geográficas, o que explica por que países como a Índia estão tão distantes de outras populações de flamingos como nas Ilhas Malvinas.

Uma das espécies denominada flamingo rosa ou Phoenicopterus roseus é a de maior distribuição por estar localizada no oeste da África, espalhando-se pelo sul e sudoeste da Ásia, passando pela zona subsaariana do continente africano, incluindo também a Europa pela área do Mediterrâneo.

Há também o flamingo menor que vive em África, distribuído pelo sudoeste, sul e sudeste e em menor quantidade em países como o Irão, Paquistão, Sri Lanka, Índia, Omã e Iémen.

Habitat do flamingo

Se você está se perguntando onde vive o flamingo, eles possuem muita diversidade em termos de habitat, já que foram vistos em lugares e condições inimagináveis.

Entre as suas preferências está viver em climas quentes mas não têm problemas em fazê-lo em regiões com baixas temperaturas, o importante é que se sintam à vontade para se deslocar e tenham boas fontes de alimentação por perto, pois desta forma a sua adaptação é garantida e foi o que lhes permitiu resistir durante milhões de anos.

Geralmente pensa-se que o flamingo é uma ave diretamente ligada às planícies devido à vastidão daquela área, mas não é surpresa saber que vivem maioritariamente em regiões montanhosas.

Por isso estão sempre localizados próximos a áreas com pântanos e lagoas com muita água rasa, preferencialmente salgada e lamacenta.

Além disso, atualmente existe um grande número de flamingos que vivem em cativeiro em parques e zoológicos de todo o mundo, o que faz parecer que lhes é dada uma boa qualidade de vida, mas acredita-se que apesar dos cuidados, não são oferecidos as melhores condições; Por este motivo, têm sido realizadas campanhas ambientais para restaurar o seu ecossistema e devolvê-los ao seu habitat natural.

Comportamento do flamingo

O flamingo é uma ave de grande porte e com uma fisionomia muito bonita, tem a capacidade de ficar muito tempo sem respirar enquanto submerge a cabeça na água em busca de alimento.

Quando dormem, eles podem ficar em pé, deitar ou até mesmo apoiar-se em uma perna, transferindo o peso para a outra perna sem acordar. Por isso, acredita-se que o cérebro deles não descansa completamente, o que lhes permite manter o equilíbrio.

Quando voam, eles colocam o corpo e as pernas em posição totalmente ereta para reduzir o atrito, já que voam rapidamente a cerca de 60 km/h. Assim, conseguem percorrer longas distâncias para encontrar sustento suficiente para toda a colônia.

O bico deles é muito singular: longo, grosso e com uma curvatura descendente que começa no meio. Essa característica permite que procurem comida na água e na lama com facilidade. Além disso, os pequenos pratos no bico ajudam a filtrar a lama e reter o alimento dentro da boca.

O flamingo é uma ave de caráter social, onde tende a interagir com todos os indivíduos que compõem a colônia a que pertence, que pode ser composta por até 20.000 aves. O maior local onde os flamingos podem se reunir é na África e já foram contabilizados mais de 1 milhão, e sua forma de socializar é um belo ato, pois para eles estar juntos é uma necessidade principal.

Alimentação de flamingo: o que a ave come?

O que os flamingos comem? Principalmente algas verde azuladas, pequenos insetos, algas microscópicas chamadas diatomáceas, crustáceos, moluscos, larvas de moscas, peixes e plâncton. Mas apesar disso cada tipo tem seus próprios hábitos alimentares, portanto, no caso de flamingos menores tendem a comer alimentos menores e flamingos maiores podem comer alimentos como moluscos e crustáceos sem problemas, pois seu bico e corpo são grandes o suficiente para ingeri-los.

Curiosamente, a ave não se alimenta de peixes grandes ou de plantas de grande porte, apesar de serem aves grandes e seus bicos serem bastante fortes. Isso ocorre porque as águas onde costumam viver são muito salgadas e possuem alto teor alcalino, então apenas os animais que suportam esses ambientes e estão lá, são eles que se tornam suas principais fontes de alimento.

Os flamingos maiores precisam consumir aproximadamente 270 gramas de comida por dia, enquanto os flamingos menores devem consumir cerca de 60 gramas por dia. No caso dos zoológicos, é importante lembrar que o alimento deve ter alto teor de carotenoides, pois quando sua plumagem escassear, perderá o brilho e ficará opaca.

Por que os flamingos têm a cor rosa? A resposta reside principalmente em sua dieta.

Flamingos são aves que vivem em bandos e se destacam facilmente devido à sua coloração rosada. A tonalidade rosa dessas aves não é inerente a elas desde o nascimento; na realidade, os filhotes nascem com uma cor cinza ou branca. A transformação para o rosa ocorre devido à ingestão de carotenoides, um pigmento natural encontrado em certos alimentos.

A principal fonte de carotenoides na dieta dos flamingos são os camarões, algas e outros pequenos invertebrados. Estas substâncias químicas, quando consumidas, passam por um processo de decomposição no fígado da ave, sendo depois depositadas nas penas, pele e bico. Assim, a intensidade da coloração rosa pode ser um indicador direto de sua saúde e qualidade da dieta.

Um flamingo com uma cor mais intensa sinaliza que ele está saudável e, consequentemente, é mais atraente para potenciais parceiros na época de reprodução. Contrariamente, um flamingo com uma coloração pálida pode indicar uma dieta insuficiente em carotenoides ou problemas de saúde.

Portanto, a vistosa cor rosa é mais do que apenas um espetáculo da natureza; ela serve como um indicador biológico da saúde e bem-estar da ave. Em resumo, a dieta rica em carotenoides é responsável por sua distinta cor rosa, um símbolo vibrante de saúde e vitalidade.

Conheça mais sobre a reprodução do flamingo

Certamente você já se perguntou como os flamingos se reproduzem, eles iniciam seu período de reprodução quando atingem a maturidade sexual entre os 3 e os 6 anos de idade, mas começam a se reproduzir aos 6 anos, pois é nessa época que estão completamente aptos para criar uma nova vida.

Os grupos, que às vezes podem chegar a 20 mil indivíduos, se espalham um pouco, formando pequenos grupos de dezenas de flamingos para iniciar seu ritual de acasalamento, que fazem apenas com membros de seus próprios grupos.

Para começar, o macho flamingo começa a fazer certas marchas e giros de cabeça acompanhados de limpeza de penas, para que quando aceitar eles possam copular, se a fêmea o rejeitar, ele tentará com outra.

Quando um flamingo seleciona seu parceiro, a colônia inteira se divide e forma grupos menores com dezenas de indivíduos. Cada grupo tem uma época reprodutiva diferente. Então, em um período específico do ano, eles acasalam e posteriormente criam os filhotes. Por essa razão, raramente vemos grupos nidificando mais de uma vez por ano, geralmente coincidindo com a época das chuvas. Eles tomam precauções para garantir que o nível da água não suba demais nas áreas onde colocarão os ninhos, evitando assim que estes se molhem e se tornem inutilizáveis. Os flamingos escolhem esta época do ano para nidificar porque a chuva fornece galhos, lama e algumas pedras para a construção do ninho.

  • Acasala nas estações chuvosas: Isso porque a água proveniente das precipitações os ajuda a se abastecer de lama, pedras e paus, materiais com os quais constroem os ninhos, que podem medir até 30 centímetros.
  • Este trabalho leva seis semanas: Durante todo esse tempo eles permanecem juntos, até que a fêmea ponha os ovos do flamingo, raramente mais de um devido ao seu grande tamanho.
flamingos

flamingos

Namoro e acasalamento das aves

O momento de reprodução do flamingo é complicado, pois eles precisam que cada membro das colônias ou pequenos grupos que formam para nidificar também esteja em sua época reprodutiva, já que o ritual de cortejo somado ao ato de acasalamento será realizado por todos de uma vez.

Usando o flamingo chileno como exemplo, podemos dizer que um grupo precisa ter entre 15 e 18 flamingos para que o acasalamento seja bem-sucedido. Embora algumas pessoas tenham observado flamingos acasalando com mais de um parceiro, prevalece a ideia de que os flamingos são monogâmicos. Assim, quando escolhem um parceiro ao atingir a maturidade sexual, formam um vínculo tão forte que a união pode durar várias épocas de acasalamento e até mesmo mais de um ano.

Apesar de formar um núcleo tão forte, ele pode ser quebrado por 2 motivos principais, o primeiro seria se o casal de flamingos morresse, pelo que a fêmea seria obrigada a formar um casal novamente, e o segundo motivo seria se após a cópula, fossem não produzido.

Se isso ocorrer, a fêmea escolheria um novo macho que teria que cortejá-la por apenas alguns minutos. Uma vez que ela aceite, eles podem acasalar. Para conquistá-la, todos os machos realizam uma dança na água, movendo o pescoço, agitando as asas e emitindo sons para chamar a atenção da fêmea. Quando ela estiver interessada, afastar-se-á lentamente, e o macho a seguirá. Nesse momento, a fêmea inclinará a cabeça e abrirá as asas, indicando ao macho que se aproxime. Ele então subirá nela por um breve momento.

Assim que o ato terminar, cada par se deslocará para a área predisposta para nidificação e começará a construir o ninho.

Como é feito o aninhamento do flamingo

O ninho é feito em conjunto pela fêmea e pelo macho, eles o fazem com pedaços de madeira, pedras e lama que encontram ao seu redor. O ninho terá formato semelhante a um cone de aproximadamente 30 cm de altura com bordas côncavas e os flamingos colocarão uma trincheira ao redor dele para evitar que o ninho se encha de água.

Após cerca de 6 semanas a fêmea põe um ovo branco que pode pesar cerca de 115 gramas, embora em raras ocasiões ponha 2 ovos. Os dois flamingos se revezarão no processo de incubação que durará de 26 a 31 dias, enquanto o outro fica atento à segurança do ninho e procura comida para o outro.

O flamingo é extremamente meticuloso na movimentação do ovo, pois se ele cair do ninho não poderá mais ser recuperado.

Quando ocorrer a eclosão do ovo, que pode durar entre 24 a 36 horas, os pais alimentarão o filhote com um leite de papo muito parecido com o produzido pelos pombos, com a diferença de que possui mais gordura e um pouco menos de proteína.

Este alimento vem de uma glândula que está localizada no sistema digestivo e que irá regurgitar para dar ao filhote por cerca de 2 meses até que o bico ganhe força suficiente e se desenvolva adequadamente para poder filtrar o alimento da água ou da lama

A ninhada e eclosão dos ovos

Após o ovo eclodir, surge um filhote de flamingo coberto de penugem cinza ou, às vezes, branca. Ele nasce com um bico pequeno, sem a curva característica dessas aves, e com um pescoço pouco visível.

Suas patas são rosadas e inchadas, mas, depois de 7 a 10 dias, elas adquirem uma cor marrom e preta, e o inchaço desaparece. Durante esse período, os filhotes se alimentam do leite da safra produzido tanto pela mãe quanto pelo pai e desfrutam de sua proteção.

Aproximadamente 5 ou 6 dias após o nascimento, eles começam a deixar o ninho para explorar o mundo ao seu redor.

Quando o filhote de flamingo atingir duas semanas, ele se reunirá com outros filhotes para formar pequenos grupos. Com o tempo, esses grupos crescerão e funcionarão como berçários. Alguns adultos cuidarão de milhares de filhotes enquanto os pais saem para se alimentar, encontrando seus filhos posteriormente através da vocalização.

Aos 11 semanas, os filhotes começam a desenvolver o bico curvo típico dos flamingos. A partir dos 3 anos, sua plumagem começa a adquirir a tonalidade rosada da fase adulta.

Principais ameaças do flamingo

O flamingo, como qualquer outro animal, possui potenciais predadores que podem afetar a sua vida e o seu habitat. Entre eles estão aves como a cegonha e a águia-pescadora já que estas na maioria dos casos se concentram principalmente na caça dos ovos dos ninhos ou pintinhos.

No caso do flamingo menor, é uma das presas mais procuradas por diversos animais de maior porte como leopardos, leões, chacais, chitas e até pítons e dependendo da região onde estão também podem ser caçados por coiotes, javalis, gatos selvagens, raposas e hienas.

Se os predadores são um perigo potencial para o flamingo, existem também outros problemas que podem ser ainda maiores do que ser comido por outro animal, e este é o caso do ambiente.

Na Tanzânia, o ecossistema dos flamingos enfrenta uma grave ameaça. Perto do Lago Natron, opera uma fábrica que utiliza hidróxido de sódio, um componente usado na produção de sabonetes. Em seu estado puro, o hidróxido de sódio é um corrosivo potente que pode danificar a pele dos animais. Além disso, essa substância altera a quantidade de salitre na água, impedindo que os flamingos se alimentem adequadamente e bebam água doce para se hidratarem naquela parte do continente africano.

Contudo, a contaminação do habitat não vem apenas dessa área. No Quênia, em 1993, mais de 20.000 flamingos morreram devido à contaminação excessiva causada por bactérias provenientes dos inseticidas usados na região. Essa contaminação reduziu drasticamente o número naquela área, tornando a recuperação dessa população um desafio. Contudo, a boa notícia é que as pessoas não consideram uma ave em extinção. No entanto, é vital cuidar dos habitats onde encontramos flamingos para preservar essa espécie, visto que algumas áreas mostram certos níveis de contaminação nas águas onde essas aves encontram seu alimento.

Espécies de flamingos

O flamingo ao longo da sua evolução teve características muito em comum com alguns outros animais como garças e gansos dos quais existem atualmente 3 espécies que ainda vivem em todo o mundo espalhadas por diferentes continentes:

Espécies ainda vivas

O gênero Phoenicopterus possui 3 espécies vivas:

  • O flamingo chileno ou Phoenicopterus chilensis também conhecido como flamingo do sul ou flamenco ou parijuana. É originário da América do Sul e é de todos os flamingos a espécie que se localiza mais a sul, tanto na forma como se distribuem em termos de vida como na nidificação.
  • Flamingo comum ou Phoenicopterus roseus, é originário da África, também localizado na Ásia e distribuído por toda a Europa.
  • O flamingo rosa ou Phoenicopterus ruber também é conhecido como flamingo americano ou flamingo caribenho, está distribuído por toda a região central da América e está distribuído por toda a região norte da América do Sul.

Espécies fósseis

Assim como existem atualmente 3 espécies vivas, certas espécies foram especificadas e representadas com base em registros fósseis encontrados em algumas investigações:

  • O Phoenicopterus floridanus Brodkorb foi encontrado em 1953 e habitou a Terra no período do Plioceno, onde hoje seria a Flórida, 5,33 milhões de anos aC.
  • O Phoenicopterus stockiMiller foi encontrado em 1944 e habitou a Terra no período do Plioceno Médio, localizado em Chihuahua, no México, há cerca de 4 milhões de anos.
  • Phoenicopterus copei Shufeldt foi encontrado no ano de 1892 e habitou a Terra no final do período do Pleistoceno, localizando-se no que hoje seria o Oregon, a oeste da América do Norte e centro do México, cerca de 2,59 milhões de anos atrás.
  • O Phoenicopterus minutus Howard, foi encontrado em 1955 e habitou a Terra no período do Pleistoceno Superior, onde hoje seria a Califórnia, nos EUA.
  • Phoenicopterus eyrensis habitou a Terra no final do período do Oligoceno, localizado no sul da Austrália.

Onde o flamingo é mais encontrado?

Estes animais exóticos podem ser encontrados em vários locais do mundo, onde o habitat e as condições climáticas lhes são propícios. Por exemplo, o flamingo menor pode ser encontrado em áreas africanas e principalmente em Gujarat, na Índia.

Na América, encontramos principalmente o flamingo-caribenho no Caribe e na península de Yucatán, enquanto o flamingo-andino e o flamingo-chileno são vistos nos altos planaltos da América do Sul, especialmente na Bolívia, Chile e Argentina.

A África abriga o flamingo-pequeno e o flamingo-grande. Eles são frequentemente avistados no Lago Nakuru, no Quênia, e no Lago Bogoria, locais que fornecem condições alcalinas ideais, fundamentais para a sobrevivência e alimentação destas aves.

Na Europa, a presença do flamingo é menos comum, mas ainda pode ser avistada na região da Camargue, no sul da França, um dos poucos locais do continente onde estas aves decidiram nidificar.

Na Ásia, o flamingo-grande estende-se até o subcontinente indiano, sendo observado em locais como a região de Rann of Kutch, em Gujarat.

As áreas que mais atraem as aves são habitats aquáticos com alta salinidade ou alcalinidade, como lagos salinos, pântanos e lagoas rasas. A presença dessas condições garante a proliferação de micro organismos e pequenos invertebrados, fonte primária de alimentação dos flamingos.

Em resumo, os flamingos têm uma presença global, distribuindo-se pelas Américas, África, Europa e Ásia. Cada região oferece habitats únicos e essenciais para a sobrevivência e procriação destas aves majestosas.

Ave flamingo

Ave flamingo

Qual é a curiosidade do flamingo?

Uma das curiosidades mais fascinantes sobre essas aves é a sua capacidade de produzir uma substância semelhante ao leite.

Contrariando o que poderíamos esperar de aves, os flamingos não possuem glândulas mamárias. No entanto, eles têm uma habilidade peculiar: a produção de um “leite” especial em seus tratos digestivos superiores, denominado “leite de papo”.

Esta substância, rica em proteínas, gorduras e glóbulos vermelhos e brancos, assemelha-se em sua composição ao leite dos mamíferos. Ela é fundamental para a nutrição dos filhotes de flamingo nos primeiros estágios de vida, pois fornece todos os nutrientes essenciais para o seu rápido crescimento e desenvolvimento.

Uma característica notável é que tanto os machos quanto as fêmeas são capazes de produzir este leite. Ambos desempenham um papel ativo na alimentação de seus filhotes, garantindo que eles recebam o sustento necessário.

Outro ponto interessante é que o “leite” tem uma tonalidade rosada, devido à presença de carotenoides, substância que também é responsável pela cor característica dos flamingos adultos.

Os flamingos, além de serem visualmente deslumbrantes, possuem adaptações biológicas singulares. A capacidade de produzir “leite” para alimentar seus filhotes é apenas uma das curiosidades que tornam essas aves verdadeiramente fascinantes.

Por que flamingos ficam numa perna só?

Flamingos, frequentemente são vistos em uma pose peculiar: equilibrando-se em uma única perna. Muitos se perguntam por que essas aves adotam essa postura tão singular, e a ciência oferece algumas respostas.

A primeira e mais evidente razão é o consumo de energia. Contrário ao que possa parecer, flamingos gastam menos energia mantendo-se sobre uma perna do que sobre duas. A estrutura da perna e a articulação destas aves formam um mecanismo de travamento, permitindo que a ave repouse um lado do corpo sem o risco de tombar.

Além da economia de energia, esta postura serve como um mecanismo de termorregulação. Em ambientes aquáticos frios, ao recolher uma perna, o flamingo reduz a quantidade de calor perdido através do contato com a água, ajudando a manter sua temperatura corporal.

Outra teoria sugere que, ao alternar as pernas, eles conseguem dar descanso aos músculos de uma perna enquanto utilizam a outra. Esta ação repetida pode contribuir para a prevenção da fadiga muscular durante longos períodos em pé.

O design único da perna do flamingo, combinado com seu centro de gravidade, garante que a ave permaneça estável mesmo em uma perna. Esta estabilidade é tão eficaz que flamingos conseguem, inclusive, dormir nesta posição.

O hábito dos flamingos se equilibrarem em uma perna só é uma combinação de economia de energia, termorregulação e prevenção da fadiga muscular. Estas aves, com sua elegância e características únicas, continuam a fascinar cientistas e admiradores da natureza ao redor do mundo.

Informações sobre o flamingo no Wikipédia

Veja também: Avestruz: considerada a maior de todas as aves, confira tudo sobre ele

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Youtube Video

Caixa de Comentários do Facebook

Deixe um comentário