Pesca Gerais

Curió: conheça mais sobre sua alimentação, distribuição e cuidados

O nome científico “sporos” do Curió vem do grego e quer dizer semente, bem como “philos” que significa gosta, amigo.

Além disso, o nome angolensis é original do latim e está relacionado ao país da Angola na África, angolano ou angolana.

Portanto, a espécie é uma ave angolana que gosta de sementes, apesar de o nome ser resultado de um erro, já que vive somente na América.

Seja como for, esta é uma ave muito querida por todos e que é valorizada para a criação em cativeiro, vamos entender o porquê a seguir:

Classificação:

  • Nome científico – Sporophila angolensis;
  • Família – Thraupidae.

Características do Curió

Há somente 2 subespécies reconhecidas de Curió que são diferenciadas por meio da distribuição.

Com relação às características gerais, saiba que os indivíduos medem de 10,6 a 12,4 cm de comprimento, além de pesarem de 11,4 a 14,5 gramas.

O macho conta com o dorso, cabeça, peito, cauda e as asas negros, ao mesmo tempo em que o ventre, parte de baixo do peito, crisso e infra caudais, têm um tom castanho.

Falando ainda sobre as asas, entenda que há um pequeno e característico espéculo branco.

Além disso, o bico chama a atenção por ser robusto, e a base da mandíbula que é cinza, bem como os pés e tarsos negros.

Por outro lado, a fêmea e o jovem contam com a plumagem toda parda.

Nesse sentido, nota-se que há dimorfismo sexual.

Também vale destacar que esta é uma ave dócil que ama viver próximo do ser humano, em especial, nas aldeias indígenas.

O canto é um dos diferenciais, tendo em vista que ajuda a espécie a dominar os territórios que são conquistados por disputas.

Por isso, os jovens machos aprendem a vocalização com o seu pai, sendo que são cerca de 128 tipos de cantos diferentes.

Quando os indivíduos são criados em cativeiro, é necessário que o tutor use CD ‘s ou instrumentos musicais a fim de que os pequenos aprendam a imitar os sons.

Dessa forma, quando a espécie vive próxima de outras, tem grande capacidade de imitar os sons, fazendo com que às vezes perca a pureza das suas próprias notas.

Portanto, quando a criação ocorre em cativeiro, é interessante ensinar o Curió em uma gaiola diferente, sem que o canto de outros pássaros afete o seu.

Outra característica importante é que a espécie tem uma expectativa de vida de 10 anos de idade.

Reprodução do Curió

Depois de 1 ano de vida, o pássaro está apto para a reprodução, sendo que a época de acasalamento tem início no final do inverno e vai até o verão.

Geralmente a fêmea coloca 2 ovos que eclodem com 13 dias de incubação.

Depois de 40 dias do nascimento, os pequenos já podem sair do ninho.

curió
Por Dario Sanches from São Paulo, Brasil – CURIÓ (Sporophila angolensis // Oryzoborus angolensis), CC BY-SA 2.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=3761854

Alimentação

Na natureza o pássaro se alimenta de alguns insetos, além das sementes como a do capim navalha.

Por isso, o animal sobe nos pendões de capim ou cata as sementes no chão.

Aliás, é interessante falar sobre a alimentação em cativeiro do Curió.

Os tutores servem alpiste, painço, milho, ovo cozido e ração balanceada.

Para complementar a alimentação da ave, utiliza a ração extrusada.

Outros tipos de comida são grit mineral com pedra canga, areia de rio, farinha de ostra e calcário calcítico.

Distribuição e situação

A espécie tem o costume de viver em pares ou de forma solitária, não se misturando com bandos de outras aves, apesar de às vezes viver com indivíduos de Sporophila e tizius.

No geral, o pássaro vive em capoeiras arbustivas, arbustos nas bordas e pântanos, além de também se aventurar nas florestas.

Em uma floresta que fica no sudoeste amazônico do nosso país, o Curió vive em clareiras naturais no interior da floresta fechada.

O mais interessante destas clareiras é que elas disponibilizam os principais recursos alimentares da espécie como, por exemplo, as sementes.

Com relação à distribuição, entenda que o pássaro é visto em quase todo o Brasil, desde a Região Amazônica até o Rio Grande do Sul.

Por isso, pode habitar estados da região Centro-Oeste.

Além do Brasil, o animal também está em quase todos os países da América do Sul, tirando somente o Chile.

Mas, apesar de ter uma boa distribuição, o Curió sofre com ameaças como a caça.

Como resultado, é um animal visto como “Criticamente em Perigo” no estado de Minas Gerais, de acordo com a Lista Vermelha estadual.

E no estado do Paraná, a ave é tida como “vulnerável”, conforme a Lista Vermelha estadual (Decreto Estadual 11797/2018 – Anexo I).

Principais cuidados em cativeiro

Falando inicialmente sobre a higiene, é interessante pensar sobre o conforto do seu bichinho, além de estratégias que evitem a contaminação de doenças, fungos e bactérias.

Nesse sentido, mantenha a gaiola limpa e organizada, sendo que a lavagem deve ser feita de forma semanal com o uso de água e sabão.

Assim, disponibilize água limpa e fresca, tal como mantenha o bebedouro e comedouro higienizados.

Ou seja, a higiene é importante para evitar a coccidiose, uma doença causada por protozoários, tal como os resfriados, gripes, verminoses, sarnas e até mesmo a diarreia.

Ainda falando sobre a saúde do seu Curió, saiba que é muito importante ter o cuidado ao criar aves juntas em grandes grupos.

Geralmente o pássaro pode praticar o canibalismo, isto é, bicar, ferir seus colegas e até mesmo comer as penas.

Por fim, para que o seu amigo venha se adaptar facilmente, escolha uma gaiola com tamanho adequado.

Esta gaiola deve permitir que o animal se mova, pule, efetue pequenos voos e abra as suas asas.

Aliás, não se esqueça de investir em escadas, balanços e playground!

Gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é muito importante!

Informações sobre o Curió no Wikipédia

Veja também: Corrupião: também conhecido como Sofreu, conheça mais sobre a espécie

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Posts Relacionados

Deixe um Comentário