Início PeixesÁgua Salgada Baleia Orca: Características, alimentação, reprodução e curiosidades

Baleia Orca: Características, alimentação, reprodução e curiosidades

por Otávio Vieira

A Baleia Orca faz parte da família dos maiores golfinhos e representa um superpredador versátil. A espécie também atende por “baleia-assassina” ou “killer whale”, na língua inglesa, por atacar outras baleias e animais do oceano.

A orca ou também conhecida como “baleia assassina” existe há 50 milhões de anos, essas pertencem à família (delphinidae), então realmente são golfinhos apesar de serem chamadas de baleias. Eles são a maior espécie existente de golfinho no mundo, medindo até metros de comprimento e pesando mais de 2 toneladas.

Esses animais evoluíram ao longo dos anos se adaptando ao meio ambiente, pois anos atrás eram animais terrestres. Dividindo-se em três grupos que hoje estão extintos. Espécies fortes que, devido aos seus comportamentos e habilidades de caça, são consideradas predadoras de topo. Dessa forma, uma característica interessante tem relação com o nome “Orcus”, que significa inferno ou deus da morte, além de “Orcinus” significar “do reino da morte”.

Correspondendo ao segundo mamífero mais amplamente distribuído na Terra (depois do homem). É um animal extremamente versátil, sendo um predador que se alimenta de peixes, tartarugas, pássaros, focas, tubarões e até outros cetáceos.

São espécies com alto nível de inteligência, por terem uma forma fascinante de se comunicar, as mães podem educar seus filhotes ensinando-lhes técnicas e disciplinas de caça.

Com isso, a partir de 1960, o termo “orca” passou a ser mais usado do que “baleia-assassina”. Nesse sentido, prossiga a leitura e saiba mais informações da espécie, incluindo curiosidades e distribuição.

Classificação:

  • Nome científico: Orcinus orca
  • Família: Delphinidae
  • Classificação: Vertebrados / Mamíferos
  • Reprodução: Vivípara
  • Alimentando: Carnívoro
  • Habitat: Água
  • Ordem: Artiodactyla
  • Gênero: Orcinus
  • Longevidade: 10 – 45 anos
  • Tamanho: 5 – 8 m
  • Peso: 1.400 – 5.400 kg

Saiba mais sobre as características da Baleia Orca

Os indivíduos têm uma vida social complexa, em que formam grandes grupos familiares para a desova ou para a caça. A primeira descrição da espécie foi de um “monstro marítimo feroz”, sendo feita por Plínio, o Velho.

Aliás, a Baleia Orca tem uma coloração negra na região do dorso e a zona ventral é branca. Há também algumas manchas claras que ficam na lateral posterior do corpo, tal como atrás e acima dos olhos.

A cor de sua pele costuma chamar a atenção já que se trata de uma combinação de preto com partes brancas. Eles têm uma grande barbatana dorsal localizada na parte superior do corpo. Esta família se distingue por serem bons nadadores atingindo uma velocidade de até 30 quilômetros por hora.

O animal tem o corpo pesado e robusto, bem como tem a maior barbatana dorsal de todo o reino animal, pois ela mede até 1,8 m de altura.

Desse modo, uma característica que diferencia os gêneros é que a barbatana seria mais ereta e maior nos machos. E eles medem de 9,8 a 10 m, além de pesarem até 10 toneladas. Já as fêmeas alcançam somente 8,5 m e variam entre 6 e 8 toneladas.

Além disso, os indivíduos se comunicam através de sons, algo que iremos compreender com detalhes no tópico de “curiosidades”.

Assim como as baleias e os golfinhos, a orca é um dos animais aquáticos que possui um respiradouro no topo da cabeça que lhe permite respirar na superfície e debaixo d’água. Eles têm 50 dentes de 3 centímetros de comprimento, fazem uma espécie de eco localização, sibilam e gritam, o que os ajuda a se comunicar uns com os outros. Eles geralmente ficam submersos na água por até 10 minutos.

Baleia Orca assassina

Baleia Orca assassina

Características detalhada da baleia assassina

A sua extraordinária robustez, a sua forma altamente hidrodinâmica e a estrutura da sua pele fazem da orca a espécie mais rápida de toda a ordem dos cetáceos.

Nadadeira dorsal

Apresenta alguma flexibilidade e localiza-se bem no meio das costas, constituindo a característica mais aparente do dimorfismo sexual. De base larga, a do macho tem forma de triângulo isósceles e é muito alta (até 1,9 m), enquanto a da fêmea e de todos os filhotes é falciforme e menor (até 1 m), lembrando a de golfinhos e tubarões.

Espiráculo

É a narina, que durante a evolução foi retardada até se localizar na parte superior posterior da cabeça, o que lhe permite respirar sem retirar completamente a cabeça da água. Assim que se projeta um pouco, uma válvula interna se abre e expele o ar, produzindo o típico “snort” ou “spurt” dos cetáceos, que não é um verdadeiro jato de água, mas uma mistura de ar, vapor e respingos de água.

Nadadeiras peitorais

São duas vezes mais longas que largas e têm a forma de um remo. Ao contrário da caudal e da dorsal, são os únicos duplos e provêm da modificação evolutiva do primeiro par de pernas dos mamíferos terrestres, possuindo os mesmos ossos do braço: úmero, ulna, rádio e dedos (o segundo par de pernas desapareceu completamente).

Sua ação pouco influencia a propulsão, cujas responsáveis ​​são a nadadeira caudal e o movimento de todo o corpo, atuando como um leme que contribui para o equilíbrio e a rota de navegação. Eles também auxiliam na frenagem e na ré.

Cabeça

Larga e sem pescoço, a cabeça é arredondada e de formato cônico.

Olhos

Proporcionam uma visão nítida, tanto dentro quanto fora d’água.

Boca

É grande e provida de 40 a 56 dentes: 20 a 28 em cada maxilar. Existem lacunas entre um e outro porque, quando fecha a boca, seus dentes se encaixam no espaço livre do outro lado. Eles são adequados para segurar e rasgar, mas não para mastigar.

Mancha orvicular

Localiza-se atrás e acima de cada olho, é de cor branca e tem formato oval alongado.

Zona ventral

Apresenta uma enorme mancha branca que começa no queixo e na garganta e continua para trás, estreitando-se à medida que passa entre as nadadeiras peitorais e ramificando-se em três ramos após o umbigo: dois vão para os flancos e o central chega à área genital.

Mancha dorsal

Localizada logo atrás da nadadeira dorsal, é a única área que não é branca nem preta, mas cinza. Apresenta uma forma crescente variável dependendo do indivíduo.

Pele

As marcações e características particulares (forma e entalhes na barbatana dorsal, e o local atrás dela) são específicos para cada indivíduo e a maioria dura toda a vida. É completamente sem pelos e sua cor geral é preta com grandes manchas brancas, os jovens têm tons de cinza.

Cauda

A cauda grande fornece propulsão poderosa. A sua disposição horizontal permite distinguir a orca dos tubarões e de todos os outros peixes.

Origem e evolução das Orcas

Os ancestrais dos cetáceos

Embora o registo fóssil não nos permita apurar quais foram os primeiros antepassados ​​semi-aquáticos dos cetáceos, o mais provável é que pertençam ao grupo dos mesoniquios, mamíferos corredores de médio e grande porte que viveram onde hoje é a Europa, Ásia e América do Norte e que apresentavam grande variação em seu regime carnívoro.

Os mesoniquídeos descendem dos creodontes, uma linhagem mais antiga de carnívoros terrestres que em outras de suas ramificações derivou nos atuais ungulados. A relação entre ungulados e cetáceos está bem documentada por uma série de análises de componentes sanguíneos e sequências de DNA.

Embora o mesmo não possa ser dito sobre os caminhos evolutivos que precederam esses dois grupos, não é difícil imaginar que uma linhagem de mesoniquias começou a se alimentar de peixes (assim como as lontras em rios e estuários) para eventualmente evoluir para os primeiros cetáceos.

Cetáceos primitivos

Os primeiros cetáceos são os arqueocetos, e o mais antigo conhecido é o Pakicetus (assim chamado porque foi encontrado no Paquistão).

Tem cerca de 50 milhões de anos e já possuía algumas características dos cetáceos de hoje, incluindo alguma capacidade de ouvir debaixo d’água, embora seus dentes fossem muito semelhantes aos de seus supostos ancestrais mesoniquios e ainda fosse um quadrúpede.

Nos arqueocetos subsequentes, observa-se uma redução progressiva dos membros posteriores e da pelve, bem como uma transformação gradual do apêndice caudal.

Ambulocetus natans, por exemplo, que é o mais antigo archaeoceti conhecido depois de Pakicetus, tinha uma cauda típica de mamífero e seu segundo par de pernas era tão robusto que provavelmente permitia que ele caminhasse em terra.

Os basilossaurídeos, que floresceram no final do Eoceno (cerca de 40 milhões de anos atrás), já tinham patas traseiras tão pequenas que acabaram desaparecendo. Eram completamente aquáticos, com os membros anteriores transformados em barbatanas e uma cauda muito semelhante à dos cetáceos atuais.

A relação entre os arqueocetos e os cetáceos mais modernos não é conhecida com certeza, embora o registro fóssil pareça mostrar uma ligação entre os esqualodontes do Eoceno superior (entre 42 e 38 milhões de anos atrás) e os atuais odontocetos, que são cetáceos com dentes, ou seja, o grupo que inclui os delfinídeos e, portanto, a orca.

Espécies de Orca

Além da Orcinus orca, existem outras duas espécies de golfinhos que são chamadas de orca. Uma delas é a Pseudorca crassidens, conhecida pelos nomes de orca negra, orca falsa e orca bastarda.

Com um comprimento entre 4,3 e 6 m e um peso que raramente atinge as 2 toneladas, apresenta uma barbatana dorsal em forma de foice e peitorais curvados para trás. Vive nas águas quentes e tropicais de todos os mares do mundo, a alguma distância da costa, e não corre perigo de extinção.

Sua alimentação básica são lulas e peixes grandes que apanha até no fundo do mar. É gregário e forma grupos de várias dezenas de indivíduos.

A outra espécie é Feresa attenuata, conhecida como “baleia assassina pigméia”. Como o próprio nome indica, é bem menor que as outras orcas, já que o macho não chega a 3 m (e a fêmea 2,5 m) e mal passa dos 200 kg.

Ela vive em todas as águas tropicais e subtropicais do mundo e também não está ameaçado. Alimenta-se de pequenos peixes e lulas e sua biologia é pouco conhecida.

baleias orcas saltando

Entenda a reprodução da Baleia Orca

Antes de mencionar qualquer informação sobre a espécie. Saiba que todos os dados foram obtidos por meio de pesquisas de longa duração com populações da costa de Washington e da Colúmbia Britânica. Também foram observados alguns exemplares em cativeiro.

Como outros animais, este animal vivíparo compete com outros membros para montar a fêmea. As lutas causam ferimentos em alguns, enquanto outros perdem a vida.

Esta espécie é polígama, acasala com várias, mas para evitar o cruzamento entre um mesmo grupo, os machos mudam-se para outro grupo onde se encontram outras fêmeas.

Segundo estudos com orcas em cativeiro, os machos também conseguem copular com as que já estão grávidas. O namoro faz parte do procedimento para atrair futuros companheiros.

O filhote de Baleia Orca já nasce com 180 kg e mede 2,4 m de comprimento total e a fêmea alcança a sua maturidade sexual com 15 anos de idade. Com isso, elas têm períodos de ciclo poliestral, o que significa que o cio é contínuo e regular. Há também os períodos sem o ciclo estral que duram entre 3 e 16 meses.

Inclusive, elas geram somente um filhote e isso ocorre uma vez a cada cinco anos, como também amamentam os filhotes até os 2 anos de idade. Elas deixam de ser férteis com cerca de 40 anos, o que nos indica que conseguem gerar até 5 filhotes.

Saiba que as fêmeas de Baleia Orca podem alcançar até 50 anos de vida. Ao mesmo tempo em que os machos vivem somente 30 e se tornam ativos aos 15 anos. O nascimento ocorre em qualquer época do ano, porém existem mais relatos de nascimento durante o inverno.

A taxa de mortalidade dos recém-nascidos é alta e alguns estudos sugerem que metade dos filhotes morre antes de alcançar seis meses.

Como acontece o período de gestação da Orca

Uma vez que a fertilização interna é alcançada, o tempo de gestação da orca é de 15 a 18 meses, geralmente dando à luz um único filhote.

A criatura sai da vulva da mãe, que é protegida por algumas dobras de pele, daí surge em primeiro lugar, a cabeça ou cauda.

O pequeno tem aproximadamente 2,6 metros de comprimento e pesa 160 quilos. Em seguida, a mãe alimenta o filhote de orca com seu leite, que contém grande quantidade de nutrientes, além de gordura, úteis para que ela resista às temperaturas dos oceanos.

O desmame ocorre com um ano e meio de idade, embora a mãe continue protegendo seu filho até que esteja suficientemente preparado para sobreviver em seu habitat natural.

É de salientar que este animal vivíparo quando chega aos 40 anos deixa de conceber, não acontece em todas as fêmeas, mas sim na maioria.

Balei Orca

Balei Orca

Alimentação: O que as baleias assassinas comem?

A dieta da Baleia Orca inclui diversos animais como as tartarugas, focas, aves, moluscos, peixes e tubarões. Quando elas caçam em grupo, também podem se alimentar de baleias de outras espécies. Por esse motivo, ataca a baleia-de-minke, a baleia-cinzenta e o filhote de baleia azul.

Neste último exemplo de espécie, as orcas formam grandes grupos e simplesmente começam a perseguir o filhote e a mãe. Em alguns casos, as orcas conseguem separar as vítimas ou as rodeiam para impedir que subam para a superfície e tomem ar.

Por fim, o filhote morre sem ar e as Orcas podem se alimentar. Nesse sentido, cabe mencionar que a orca é o único cetáceo que caça regularmente outros cetáceos. Assim, alguns estudos que examinaram o conteúdo estomacal indicaram que 22 espécies de cetáceos são caçadas por orcas.

Aliás, saiba que a espécie pode ser canibal, pois de acordo com um estudo feito nas águas temperadas do Sul do Pacífico, foi possível notar o seguinte: O conteúdo estomacal de dois machos tinha restos de orcas, além de 11 das 30 orcas estarem com o estômago completamente vazio. Por isso, o estudo de 1975 nos indica que os indivíduos se tornam canibais quando há uma falta extrema de comida.

A orca usa a técnica do pastoreio para caçar; onde o grupo de orcas trabalha junto e cerca a presa se revezando para comer. Eles só usam os dentes para matar a presa, não são comumente usados ​​na hora de comer, pois engolem a presa inteira e o estômago faz o processo de digestão.

Essa espécie pode percorrer milhares de quilômetros em busca de seu alimento e também se alimenta de baleias azuis, o que é considerado canibalismo já que a orca é classificada como a mesma baleia.

Mais informações sobre a dieta das Orcas

Carnívoro estrito, a orca é um predador oportunista capaz de atacar qualquer animal marinho, incluindo baleias gigantes e os tubarões mais agressivos, sem descartar o grande tubarão branco.

Foram descritos ataques deste temível tubarão a uma orca bebé, vindo imediatamente em seu auxílio a mãe e outros membros do grupo, que puseram em fuga o intruso ou mesmo o mataram.

No entanto, é normal que a orca se alimente de lulas, pinguins e outras aves marinhas, uma infinidade de peixes, incluindo raias e tubarões. Além de alguns pequenos, entre os mais comuns estão o bacalhau, o atum, etc.

Além disso, as orcas conhecem os locais e horários onde se concentram certas espécies de peixes. Por exemplo, quando chega a hora da reprodução do salmão, eles se reúnem aos milhares na foz do rio, preparando-se para subir, e lá estão as orcas esperando por eles.

Um caso conhecido é o do Estreito de Johnstone, ao norte de Vancouver, onde chegam dezesseis grupos de orcas. Cardumes de salmões em formação produzem um reflexo distinto no sonar, por isso não é muito difícil para as orcas localizá-los. Quando se aproximam para persegui-los um a um, costumam “desconectar” o sonar e usar a visão, que é mais imediata e precisa de perto.

As orcas se organizam da seguinte forma: enquanto algumas atacam e batem na baleia com suas nadadeiras para imobilizá-la, outras mordem seus lábios para forçá-la a abrir a boca e arranque sua língua, o que significará o fim do animal. No entanto, o gigante não é totalmente utilizado, longe disso, pois logo afundará.

De qualquer forma, a dieta das orcas varia muito dependendo da região e da época do ano. Quando estão com fome, podem alimentar-se de presas tão incomuns como estrelas-do-mar, tartarugas marinhas.

Técnicas utilizada pelas Orcas para a caça

As técnicas de caça das orcas variam de acordo com a região em que vivem e dependendo da presa que procuram. Abaixo estão as técnicas de caça das orcas em várias partes do globo:

Ilhas Crozet

Localizadas no Oceano Índico, a cerca de 3.200 km a leste da Cidade do Cabo, na África do Sul, essas ilhas abrigam uma população de baleias assassinas que desenvolveram o gosto por pássaros, elefantes marinhos e peixes.

Sua principal presa é o pinguim-imperador. Para caçá-los, as orcas usam uma técnica que consiste em perseguir o pinguim desde águas profundas. No entanto, eles não o pegam, em vez disso, deixam o pinguim entrar em águas rasas.

Logo na arrebentação a velocidade dos pinguins diminui drasticamente e as orcas os capturam com relativa facilidade. Essa técnica é perigosa para as orcas, pois se elas cometerem um erro no ataque, podem ficar presas esperando a morte certa.

Fiordes Noruegueses

Localizados na Península Escandinava, cerca de 13.000 km ao norte das Ilhas Crozet, a população residente de orcas é piscívora. Durante a migração do arenque, grandes cardumes de arenque estão destinados a serem mortos por pescadores ou orcas.

A principal técnica de caça das orcas aos arenques consiste basicamente na cooperação, é chamada de alimentação em carrossel. Primeiro as orcas nadam em pequenos grupos para encurralar o arenque em um único cardume, evitando que escapem.

Mais tarde, alguns nadam de cabeça para baixo exibindo suas barrigas brancas para espantar o arenque. Finalmente, as baleias assassinas dão fortes golpes de cauda que atordoam e/ou matam os peixes.

Estreito de Gibraltar

Situado entre Espanha e Marrocos, é um pequeno estreito com 14 km de largura por onde atravessam atuns e várias espécies de cetáceos, migrando entre o Oceano Atlântico e o Mar Mediterrâneo.

Aqui as orcas não são animais residentes, a sua permanência no estreito coincide com a migração do Atum-rabilho. Durante a mesma muitos pescadores pescam atum com linha. Quando um atum pesca a linha (faz isso em águas muito profundas a mais de 200m) a tripulação do barco tenta puxá-la rapidamente. Quando o atum se aproxima do barco, as orcas o mordem e o levam embora.

Nova Zelândia

As orcas desta região especializaram-se na caça de tubarões e raias, sendo esta última a sua presa preferida. A técnica é baseada na velocidade e na cooperação: quando a Arraia é avistada, as orcas a perseguem e a conduzem para águas rasas.

As orcas tentam impedir que a Arraia vá para águas profundas, já que ela pode se refugiar nas rochas e ficar lá o tempo que quiser. Se as baleias assassinas conseguirem evitar isso, elas tentarão encurralar a Raia contra a superfície, uma vez encurralada é uma presa fácil.

Deve-se notar que as orcas não tentam matar a Arraia em águas profundas, pois não têm defesa contra o veneno mortal da arraia, mas perto da superfície as orcas podem atacar sem serem picadas.

Península Valdés – Argentina

Este mamífero marinho se alimenta de forma única entre todas as populações de orca. Entre os meses de fevereiro a abril (em Punta Norte) e entre setembro e outubro (em Caleta Valdés), esses cetáceos utilizam uma técnica de caça muito particular, o encalhe intencional.

Essa técnica consiste em pegar suas presas (leões-marinhos e elefantes-marinhos) quando estiverem próximas à beira-mar. As orcas identificam suas presas pela ecolocalização (emissão de som) e não visualmente.

Esta caça muito particular é muito arriscada, pois a possibilidade de que durante a tentativa de capturar sua presa a orca fique permanentemente encalhada é muito alta. Outra peculiaridade dessa forma de alimentação é o baixo índice de sucesso, sendo este um ponto importante devido ao alto desgaste calórico que o animal realiza.

Comportamentos semelhantes foram observados nas ilhas Crozet, ao sul do continente africano, com a diferença de que neste caso não saem totalmente da água. Em outros casos, também atacam focas, morsas, lontras, vacas marinhas, peixes-boi, dugongos, tubarões, arraias, pinguins, aves marinhas, peixes, baleias, golfinhos, botos, lulas e polvos.

Alasca

Uma grande variedade de vida selvagem prospera muito perto do Círculo Polar Ártico (lobos, pumas, veados e ursos em terra e baleias, orcas, botos e focas no mar). As orcas transitórias da região atacam principalmente os botos de Dall.

A técnica para caçá-los é baseada na velocidade, já que ambos são os mamíferos mais rápidos dos oceanos. Primeiro há uma perseguição, os botos são mais rápidos, deslocam-se a 55km/h mas as orcas têm mais resistência dentro da sua velocidade máxima de 48km/h.

Depois que a perseguição termina, os botos estão cansados ​​demais para resistir aos ataques rápidos das baleias assassinas, que matam os botos com investidas, cabeçadas, golpes de cauda e mordidas.

Curiosidades sobre a Baleia Orca

Assim como ocorre com o golfinho, a Baleia Orca tem um comportamento vocal complexo. Ou seja, elas são capazes de produzir uma grande variedade de assobios e estalidos. Para se comunicarem ou para detectarem a posição de outro objeto a metros de distância.

Sendo assim, a vocalização depende do tipo de atividade. Além disso, os grupos sedentários têm uma maior tendência de emitir sons do que os grupos nômades.

Isso pode ocorrer por dois motivos: O primeiro é que as orcas sedentárias ficam juntas por mais tempo. Desenvolve uma grande relação com os outros indivíduos e emitindo mais sons para se comunicar.

De outro modo, os grupos nômades ficam juntos por um período que pode variar entre horas e dias, fazendo com que eles se comuniquem menos.

Em segundo lugar, isso pode ocorrer porque as orcas nômades preferem se alimentar de mamíferos. O que torna necessário que elas passem despercebidas pelos animais para que a caça seja efetiva.

Com isso, elas usam apenas estalidos isolados ao invés de uma longa série de estalidos que é usada pelos grupos sedentários.

Por fim, saiba que a espécie tem diferentes dialetos regionais. Isto é, os indivíduos têm conjuntos de assobios e estalidos diferentes, de acordo com o local que é observado.

E quando analisamos dois grupos com os mesmos ancestrais, mas que vivem em lugares diferentes, podemos afirmar que eles continuam com um dialeto similar.

À vista disso, especialistas afirmam que os dialetos passam da mãe para o filhote durante os dois anos de amamentação.

Baleia Orca

Mais curiosidades sobre a vida das orcas

Quanto à parte científica, a orca é considerada um golfinho e não uma baleia, como muitos pensam. Porém, como baleias e golfinhos fazem parte da mesma ordem (cetáceos), a expressão “orca” não está errada.

Baleias e orcas são diferenciadas pelo esqueleto e pela boca. Como os golfinhos, as baleias assassinas também têm dentes. Quanto às suas cores, que é uma das principais características das orcas, existe uma distribuição que se dá da seguinte forma: o dorso é preto e a parte inferior e perto dos olhos é branca. Além disso, uma curiosidade é que todas as orcas possuem uma mancha branca atrás da nadadeira dorsal. Isso permite que cada indivíduo seja identificado.

Além disso, o animal possui uma espessa camada de gordura, que serve para se proteger das baixas temperaturas. Sua barbatana dorsal alta, enquanto nos machos são triangulares e altas, nas fêmeas são curvas. Relativamente ao tamanho e peso, os machos podem medir até 10 metros e pesar entre 9 e 10 toneladas, enquanto as fêmeas medem cerca de 8,5 metros e pesam entre 6 e 8 toneladas.

Habitat e onde encontrar a Baleia Orca

A princípio, saiba que a Baleia Orca é o segundo mamífero de maior área de distribuição geográfica por viver em todos os oceanos. Portanto, a espécie habita até as regiões que são raras para os cetáceos como o mar da Arábia e também o mar Mediterrâneo.

Por preferência, os indivíduos vivem em águas frias de regiões polares. E quando falamos de maneira específica, cabe mencionar as populações que vivem na zona nordeste da Bacia do Pacífico. Aliás, onde o Canadá faz curva com o Alasca.

Assim, podemos incluir a costa da Islândia e da Noruega. Os indivíduos também vivem nas águas antárticas logo acima do limite das calotas polares.

Sendo assim, as orcas têm a capacidade de sobreviver somente com o ar de bolsas de ar. O que faz com que consigam se aventurar abaixo da calota de gelo.

A orca habita os oceanos do nosso planeta, que inclui a zona do Ártico à Antártica. Adapta-se também àquelas zonas de águas tropicais, só que aqui não é muito frequente vê-lo.

Organizam-se em grupos denominados “vagens”, onde prevalece a união por parte de cada um dos membros, costumam nadar e caçar juntos ao longo da vida.

Devemos esclarecer que esses grupos se dividem em dois: transitórios e residentes. As primeiras são formadas por sete orcas, enquanto as últimas contam com pelo menos 25 participantes.

Mas quando dois lados se juntam formam um super grupo, chegando a 150 orcas, o que representa uma grande multidão. Eles estão localizados nas costas do Ártico, Japão, Rússia, Austrália, África do Sul ou Espanha.

Mais informações de onde vive a Baleia Orca

A orca ocupa praticamente qualquer ambiente marinho, sem submergir a grandes profundidades. É uma das espécies com maior capacidade de colonização, adaptando-se às condições de cada ecossistema, tanto oceânico como costeiro, incluindo águas rasas e as do gelo marinho Ártico e Antártico.

Existem dois tipos de ocupação do espaço: residente e migratória. Os rebanhos do primeiro tipo tendem a ser mais costeiros e ocupam áreas limitadas, de forma mais ou menos previsível, alimentando-se basicamente de peixes. Talvez a mais conhecida seja a da Colúmbia Britânica, no sudoeste do Canadá.

As populações migratórias são mais oceânicas e não têm limites definidos na sua dispersão, dependendo o seu estabelecimento da disponibilidade de presas. Costumam capturar mamíferos e sabe-se que podem percorrer 550 km em dez dias.

Em muitos grupos, esses movimentos são limitados a rotas sazonais, mas também existem grupos “errantes” que se movem aleatoriamente em busca de comida ou eventualmente seguindo migrações de presas, caso as encontrem.

Distribuição e estado

A orca é cosmopolita, sendo encontrada em todos os mares do mundo (exceto os absolutamente fechados, como o Mar Cáspio). Adapta-se tanto a águas tropicais como temperadas e polares, sendo precisamente nestas últimas onde é mais abundante.

Embora pareça que não é tão abundante em algumas áreas, como o Mediterrâneo e o Mar Vermelho, não é uma espécie ameaçada, muito pelo contrário. O número total de baleias assassinas não é exatamente conhecido, mas certamente é de várias centenas de milhares, embora com grandes variações de densidade.

Por exemplo, no Atlântico Norte, entre a Islândia e as Ilhas Faroé, a sua população tem sido estimada em cerca de 7.000 espécimes, um número considerável que, no entanto, está longe do número estimado para ser a maior população de todas: 180.

Hábitos da baleia assassina

Quando se trata de clima, as orcas são semelhantes aos humanos. Isso significa que elas podem se adaptar a qualquer temperatura. As orcas vivem em mares e oceanos e passam por quase todos os países costeiros. Além disso, elas podem viver tanto em águas quentes equatoriais quanto nas águas geladas das regiões polares. No entanto, é nas altas latitudes e perto da costa que são mais facilmente encontrados.

Outra característica é o fato de esses animais fazerem longas viagens. Além disso, em termos de convivência com outros membros, sabe-se que são muito sociáveis, podendo conviver com até 40 animais da mesma espécie. Seus rebanhos seguem duas linhas diferentes. O primeiro é menos agressivo e costuma se alimentar de peixes. Em vez disso, o segundo prefere focas e leões, eles são mais agressivos.

As orcas não são caçadas por nenhum animal, exceto os humanos, por isso estão no topo da cadeia alimentar. Entre suas presas estão aves, lulas, polvos, tartarugas marinhas, tubarões, raias, peixes em geral e mamíferos como focas.

Porque recebe o apelido de Orca?

Este apelido dado às orcas deve-se exclusivamente à sua capacidade de caçar outros animais marinhos, como as focas. Também é importante sublinhar que, tanto quanto sabemos, nunca houve um ataque registrado a qualquer homem ou mulher em alto mar.

O apelido foi criado por pescadores espanhóis após verem o animal sair para caçar, ainda no século XVIII. No entanto, a má reputação da orca tornou-se popular ainda na década de 1970, devido ao filme Orca-assassina. Contava a história de um animal que matou os pescadores que haviam matado sua família.

Baleia assassina e sua inteligência

Os animais mais inteligentes apresentam comportamentos diferenciados de acordo com o indivíduo, de forma que, diante dos mesmos estímulos, um reage de maneira diferente do outro.

Claro, este é o caso das baleias assassinas, mas também é verdade para uma série de animais terrestres, como primatas superiores. Da mesma forma que estas, as orcas são muito sociais, possuem uma linguagem complexa para se comunicar com seus pares e possuem elaboradas estratégias de caça em equipe.

Além disso, sua linguagem particular de dialetos não tem significado fora do grupo restrito de indivíduos que compõem o bando.

Até agora, esses comportamentos poderiam ser justificados no sentido de garantir alimentação, reprodução, etc. No entanto, as orcas apresentam uma série de comportamentos que fogem desses padrões, para entrar diretamente no campo da brincadeira, celebração ou prazer.

Relacionamento com homem

Historicamente, a Orca foi capturada tanto por sua carne quanto para extrair o óleo de sua gordura. Atualmente, a sua caça pode ser considerada inexistente, exceto uma captura ocasional quando se aproximam para se alimentar dos peixes encurralados pelos barcos de pesca.

Antigamente considerava-se que a orca era um animal terrível e daí o nome “baleia assassina”, mas hoje essa percepção passou para a história. Vários fatores contribuíram para isso: sua fácil domesticação – até reprodução – e exposição em parques marinhos ao redor do mundo. O que facilitou seu conhecimento, reconhecimento de sua inteligência e linguagem complexa (barcos de pesca usam gravações de orcas para manter golfinhos e focas afastados)

E, finalmente, sua observação direta no mar (todos os anos milhares de pessoas observam orcas em seu ambiente natural.

Principais predadores de baleias assassinas

O maior predador desta espécie é o ser humano, pois devido à irresponsabilidade e poluição que a sociedade tem fomentado nos mares, este animal aquático pode adquirir infecções ou doenças.

Além disso, a caça comercial desta raça, a captura destas para serem exibidas em aquários, por outro lado, temos a diminuição das presas devido à pesca de peixes e outros animais que são parte fundamental da dieta das orcas, ou mudanças nas condições climáticas resultaram em perigo de extinção desta espécie.

Esses animais, como toda a biodiversidade de espécies que o mar possui, são essenciais e de grande importância para manter o equilíbrio ecológico das águas e evitar a superpopulação. Mais uma vez o ser humano é o principal inimigo de outra criatura marítima.

Informações sobre a Baleia-orca no Wikipédia

Gostou das informações sobre a Baleia Orca? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Veja também: Baleia de bryde: Reprodução, habitat e curiosidades sobre a espécie

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções

Youtube Video

Caixa de Comentários do Facebook

Deixe um comentário