Início » Arara-azul animais que se destacam pela beleza, tamanho e comportamento

Arara-azul animais que se destacam pela beleza, tamanho e comportamento

por Otávio Vieira

Arara-azul é um nome comum para três espécies de aves com grande porte que são à ordem Psittaciformes.

Dessa forma, a arara-azul-pequena tem 70 cm, ao mesmo tempo em que a arara-azul-grande tem até 1 m.

Portanto, nos acompanhe ao decorrer da leitura para entender características das principais espécies.

Classificação:

  • Nome científico – Anodorhynchus hyacinthinus, leari e A. glaucus;
  • Família – Psittacidae.

Principal espécie de Arara-azul

Primeiro de tudo, a arara-azul-grande (A. hyacinthinus) está em biomas da Floresta Amazônica, em especial no pantanal e cerrado.

Assim como a arara-azul-de-lear (A. leari) e a arara-azul-pequena (A. glaucus), esta espécie é ameaçada quando nos referimos à distribuição mundial.

Em nosso país, a arara-azul-grande foi retirada da lista de animais em extinção no ano de 2014.

No entanto, saiba que a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção proíbe a venda de exemplares da espécie.

Quanto às suas características corporais, vale citar a plumagem azul com a pele nua e amarelada ao redor dos olhos.

Também há um tom amarelado na base da mandíbula inferior, bem como o bico é grande, podendo ser maior que o próprio crânio.

O comprimento médio seria de 98 cm, mas já foram vistos exemplares com 114 cm de comprimento que pesavam até 2 kg.

arara-azul com alimento nos pés

Demais espécies

A arara-azul de lear (A. leari) tem um porte médio, algo que varia entre 70 e 75 cm de comprimento total.

Como diferencial, a espécie tem um bico grande e preto assim como a plumagem do pescoço e da cabeça seria azul-esverdeada.

A base da mandíbula tem uma parte nua com o formato triangular e o tom de amarelo-claro.

Somente no ano de 1978, Helmut Sick descobriu que o animal é do Raso da Catarina, nordeste do estado da Bahia, Brasil.

Como dito acima, os indivíduos sofrem a ameaça de extinção, sendo que um dos principais motivos seria o tráfico de animais.

Além disso, a destruição do habitat natural da arara oferece risco a diversas populações.

Nesse sentido, acredita-se que há somente 1200 exemplares vivos desta espécie.

E por fim, a arara-azul-pequena (A. glaucus) também tem por nome vulgar “araúna”, “arara-preta”, “araraúna”, “arara-azul-claro” e “arara-celeste”.

A espécie é a menor de todo o gênero Anodorhynchus porque, em média, tem 69 cm de comprimento total.

A plumagem tem a cor esverdeada e azul-pálida, bem como a cabeça grande tem um tom cinza.

Inclusive, a cauda do animal é longa e seu bico também seria grande.

arara-azul pousada na galha

Tal como a arara-azul-de-lear, esta arara tem uma parte nua na base da mandíbula com o formato triangular e cor amarelo-pálido.

Além disso, a arara-de-lear e a arara-azul-pequena têm outras características similares, algo que foi comprovado por meio de um estudo feito em 2007.

Este estudo sugere que ambas podem ser raças geográficas ou subespécies de uma única espécie.

Porém as informações acima dificilmente serão confirmadas, visto que, a espécie foi extinta em nosso país porque não é vista há mais de 80 anos.

Não há exemplares em cativeiro, fazendo com que a IUCN mantenha a espécie na lista grave de animais ameaçados.

Características da Arara-azul

A arara-azul tem uma plumagem uniforme com tons de azul-esverdeado e azul.

As espécies tem um bico muito poderoso e negro, além de se distinguirem dos demais membros do gênero por meio das manchas amarelas que ficam na cabeça.

Também podemos ver as manchas em torno dos olhos e na parte da bochecha.

Por fim, todas sofrem com o risco de extinção por conta da caça ilegal e da destruição do habitat natural.

Reprodução da Arara-azul

São poucas as informações sobre reprodução que incluem todas as espécies de arara azul.

Por esse motivo, as informações deste tópico estão relacionadas a arara-azul-grande:

arara-azul

Esta espécie fica madura com 3 anos de idade, sendo que a reprodução dura entre novembro e janeiro.

As fêmeas colocam até 4 ovos que ficam incubados por 30 dias.

Logo após a eclosão, os filhotes ficam por três meses e meio dentro do ninho recebendo o cuidado de seus pais até que venham dar o primeiro voo.

E apesar de alguns voarem cedo, eles ficam com os pais por até um ano e meio.

Alimentação

A dieta natural da arara-azul inclui os frutos de palmeiras que estão disponíveis no local em que vive.

Por isso, o animal pode comer coco-de-espinho, urucuri e inajá.

Curiosidades

Como curiosidade, iremos falar sobre uma espécie hipotética:

No ano de 1907, o livro “Extinct Birds” foi publicado por Walter Rothschild, que tinha por objetivo tratar de forma global sobre as aves que foram extintas e se tornaram raras.

Neste livro, o autor fala de uma espécie de nome científico “Anodorhynchus purpurascens”, embora há poucos dados sobre o assunto.

Rothschild decidiu falar sobre a espécie porque entendia que tinham araras-violeta na ilha de Guadalupe.

Mas, muitos afirmam que estas araras são da espécie “A. hyacinthinus” e vieram da América do Sul.

arara-azul entre as folhas

Onde encontrar a Arara-azul

A distribuição depende da espécie,por exemplo, a arara-azul grande está em 3 regiões do nosso país e em alguns locais da Bolívia.

Em contrapartida, a arara-azul-de-lear do estado da Bahia, local em que há duas colônias.

A primeira colônia fica na Serra Branca e a segunda em Toca Velha, logo ao sul do Raso da Catarina.

A distribuição se limita ao nordeste da Bahia, pois os indivíduos vivem nos municípios de Euclides da Cunha, Canudos, Uauá, Campo Formoso, Jeremoabo, Paulo Afonso e Sento Sé.

Por fim, a arara-azul-pequena está no norte da Argentina, leste da Bolívia, sul do Paraguai, sul do Brasil e nordeste do Uruguai.

Em nosso país, a espécie vive no estado do Paraná, sendo que é natural dos cursos médios dos rios Uruguai, Paraguai e Paraná.

Conforme alguns relatos de exploradores dos séculos XVIII e XIX, esta espécie vivia em savanas, além das matas e palmares.

Ainda por meio destes relatos, foi possível notar que a arara-azul-pequena dependia mais de ambientes ribeirinhos para sobreviver.

Gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Informações sobre a Arara-azul-grande no Wikipédia

Veja também: Arara-canindé: onde vive, características, curiosidades e reprodução

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Caixa de Comentários do Facebook

Você pode gostar

Deixe um comentário