Início Animais Albatroz: tipos, características, alimentação, reprodução e habitat

Albatroz: tipos, características, alimentação, reprodução e habitat

por Otávio Vieira

O Albatroz é uma grande ave oceânica que gosta de voar alto pelos céus percorrendo distâncias incríveis.

Tanto é assim que se tratam de registros de Albatrozes que partiram do sul das Ilhas Malvinas e deram a volta ao mundo em apenas 46 dias.

Os Albatrozes são uma ave marinha pertencente à família Diomedeidae que inclui 22 espécies diferentes (infelizmente 19 delas estão ameaçadas de extinção). Esta é a ave com maior envergadura: os grandes Albatrozes podem ter uma distância de 3,5 metros de asa a asa. Podem pesar até 10 quilos.

As asas são rígidas e arqueadas, o que, junto com seu grande tamanho, os torna ótimos voadores, podendo cobrir grandes áreas sem esforço. Por outro lado, é um animal que passa grande parte de sua vida voando pelos céus.

Seu bico é grande, forte e pontiagudo, com a mandíbula superior terminando em um grande anzol, que os ajuda a deslizar sobre a água e pescar. Eles têm um grande senso de visão e olfato, o que os ajuda a localizar suas presas de grandes alturas e descer para pegá-las.

A cor da plumagem varia de acordo com a idade. Se for um espécime jovem, as penas são marrons e se for adulto, os tons costumam ser mais brancos.

Sua expectativa de vida é entre 12 e 42 anos, embora casos de Albatrozes tenham sido catalogados vivos com mais de 50 anos.

 Classificação:

  • Classificação: Vertebrado / ave
  • Reprodução: Ovípara
  • Alimentando: Carnívoro
  • Habitat: Aéreo
  • Ordem: Procellariiformes
  • Família: Diomedeidae
  • Gênero: Diomedea
  • Longevidade: até 42 anos
  • Tamanho: 1,10 – 1,40m
  • Peso: 8kg

Quer conhecer uma das maiores aves do mundo? Então não pode perder tudo o que hoje lhe trazemos sobre os Albatrozes, um belo grupo de espécies de aves marinhas muito apreciadas pelos ornitólogos.

Tipos de Albatroz

Abaixo apresentamos as informações mais detalhadas sobre todas as espécies existentes de Albatrozes.

O que são Albatrozes?

São conhecidas cientificamente sob o nome de Diomedeidae e são aves que pertencem à ordem dos Procellariiformes, estando no mesmo grupo de outras aves como os Procellarídeos, os Hidrobatídeos e os Pelecanoides.

Entre suas características mais marcantes está seu tamanho com média que fica entre 1 e 1,5 metros de comprimento, isso influencia bastante em seu peso, que pode chegar a 10 quilos.

Embora você realmente possa ver sua verdadeira grandeza quando abre as asas, já que sua envergadura varia de 3,5 metros, sendo a maior entre todas as espécies de aves.

É uma ave marinha de grande porte e com grande envergadura em comparação com o resto dos tipos de aves. A maior das espécies existentes é o Albatroz-errante.

Os Albatrozes pertencem à família Diomedeida, da qual são conhecidas 22 espécies diferentes, das quais 19 delas estão em perigo de extinção.

Albatroz

Albatroz

É aconselhável domesticar o Albatroz?

Apesar de muitos especialistas em aves terem tentado domesticar os Albatrozes, tem sido quase impossível, uma vez que o habitat natural desta espécie são as margens das falésias, espaço a que estão extremamente habituados, o que dificulta muito o processo de adaptação em outro ambiente. Além disso, seu grande porte é outro dos fatores importantes que impede sua domesticação em espaços fechados.

Apesar disso, há pessoas que conseguiram cuidar dessas aves por um certo período de tempo, enquanto o Albatroz se recupera de uma lesão ou doença, mas afirmam que mantê-las e cuidar delas em ambiente doméstico é uma tarefa muito importante, processo complicado.

Existe apenas uma espécie de Albatroz?

Atualmente o número exato de espécies de Albatrozes é desconhecido, mas estima-se que existam entre 13 espécies:

  • Diomedea, aqui encontraremos todos os grandes Albatrozes;
  • Phoebastrial, neste gênero são as espécies encontrados no Pacífico Norte;
  • Phoebetria, engloba todos as espécie de plumagem escura;
  • Thalassarche, este também é considerado outro dos gêneros de Albatroz, embora muitos especialistas afirmem que as espécies encontradas aqui são um táxon irmão do Phoebastrial, razão pela qual são frequentemente incluídas no mesmo gênero.

É importante descartar que existem atualmente 6 espécies em perigo de extinção e 3 em perigo crítico de extinção, de acordo com informações fornecidas pela IUCN.

Quanto tempo um Albatroz pode viver?

Em geral, a ave têm uma expectativa de vida bastante longa, variando de 35 a 42 anos, muito influenciada pelo habitat onde vivem.

Apesar de ter essa vida média, houve alguns casos de Albatroz que chegaram a viver por mais de 50 anos.

Entendas as principais características do Albatroz

Geralmente, os adultos apresentam plumagem escura na cauda e na parte superior das asas, em contraste com a cor branca na face inferior destas.

A garupa e a cabeça são brancas, e o rosto pode ser amarelo claro, branco ou cinza nos adultos. Além disso, os Albatrozes possuem outras características que os distinguem de outros animais aéreos.

São aves de grande porte, pois podem ter até 3,5 metros de envergadura e podem chegar a pesar 10 kg.

O bico forte, grande e pontiagudo; com que estas aves têm é composto por várias placas. A forma de sua mandíbula superior é enganchada.

A cor do bico costuma apresentar, em alguns casos, manchas em tons amarelados ou alaranjados brilhantes. Além disso, pode ficar completamente escuro ou rosa.

Eles têm pernas adaptadas para nadar. As pernas se destacam porque são curtas, fortes e não possuem o dedo traseiro. Além disso, na frente tem três dedos que estão unidos por uma membrana.

Esta membrana serve tanto para nadar como para empoleirar-se em qualquer lugar, descolando do chão e deslizando na água.

Eles podem facilmente ficar de pé e andar no chão, o que não está presente no comportamento da maioria dos Procellariiformes.

Muitas espécies têm penas de cor escura sobre os olhos, semelhantes às sobrancelhas. Essas penas permitem que a ave melhore sua visão, pois atraem a luz do sol para que ela não caia diretamente em seu olho.

Comportamento da espécie

Os Albatrozes voam em bandos sempre liderados pelo membro mais velho do grupo. Eles podem percorrer longas distâncias apoiando-se mutuamente.

Seu olfato e visão são de primeira, o que, junto com sua inteligência, facilita a localização e captura de peixes na superfície da água. Além disso, eles podem mergulhar até 12 metros de profundidade.

Alimentação: O que come o Albatroz

A sua alimentação é muito semelhante à da maioria das aves marinhas onde prevalece o consumo de peixes, crustáceos e cefalópodes, mas para além disso, a ave também gostam de se alimentar de crias de outras espécies, carne de animais mortos que foram caçados anteriormente por outros animais e zooplâncton para complementar sua dieta.

Apesar de todos os Albatrozes se alimentarem de forma muito semelhante, existem algumas espécies um pouco mais seletivas, como o Albatroz Laysan que gosta de apanhar lulas ou o Albatroz-de-patas-pretas que baseia a sua alimentação no consumo de peixe.

De modo geral, os Albatrozes são basicamente aves carnívoras. Consomem principalmente peixes, pequenos moluscos, crustáceos que apanham em seus deslizes sobre o mar. E não só planejamento.

Além disso, eles também podem consumir carniça, seja na forma de zooplâncton ou de dejetos de barcos de pesca humanos ou de regurgitações na alimentação de grandes cefalópodes.

Estes hábitos alimentares foram recolhidos através de estudos realizados por especialistas em aves em colónias de Albatrozes durante a época de reprodução, não se descartando que nesta época a sua principal fonte de alimentação sejam os animais que capturam depois de serem apanhados pelo homem, embora existam registros do Albatroz fuliginoso, que é capaz de mergulhar no mar até 12 metros de profundidade para capturar suas presas.

Como é a reprodução dos Albatrozes?

O Albatroz é uma espécie de ave que gosta de passar a maior parte da sua vida em colónias e para a maioria delas as ilhas remotas são os locais preferidos para colocar os seus ninhos, privilegiando locais onde haja excelentes acessos ao mar em várias direções. O caso da Península de Otago em Dunedin, Nova Zelândia.

Embora existam também outras espécies como os cinzentos que gostam mais de espaços abertos para nidificar, colocando os ninhos debaixo das árvores.

O processo de construção do ninho no Albatroz costuma ser muito rápido, pois são feitos de maneira muito simples, usando penas de pássaros, arbustos, terra, grama e turfa no caso de serem muito sofisticados, pois existem exemplares ainda mais rudimentar na hora de construir seu ninho como as que vivem no Pacífico.

Como também ocorre com muitas espécies de aves marinhas, os Albatrozes usam a estratégia “K” para alongar seu ciclo de vida, assim compensam a baixa taxa de natalidade com alta longevidade, razão pela qual retardam o momento da procriação para que o esforço investido na descendência é muito menor.

O Albatroz é uma ave que atinge a maturidade sexual aos 5 anos de idade e costuma demorar mais 5 anos para encontrar um parceiro e, como acontece com os cisnes, o parceiro que encontrar é aquele que o acompanhará pelo resto de sua vida, já que é uma espécie monogâmica.

Quando um Albatroz completa 10 anos, é comum vê-lo entrar nas colônias para praticar todas as danças e rituais de acasalamento que essa família de aves realiza.

Albatroz Ave

Albatroz Ave

Processo de reprodução da espécie

Quando um Albatroz encontra seu parceiro perfeito, ele se acomoda e realiza seu devido acasalamento, resultando na postura da fêmea de um único ovo que tem um peso que pode variar entre 200 e 500 gramas, do qual eles cuidam muito bem, pois se perdê-lo por acidente ou por predador, o casal não realizará o processo de reprodução por mais 1 ou 2 anos.

Uma vez que a fêmea põe o ovo, inicia-se o processo de incubação, que tem um período de 70 e 80 dias e é realizado por ambos os pais, embora o tempo possa variar, pois quanto maior o espécime, mais tarde eclode.

Quando o filhote nasce, ele é protegido e alimentado por seus pais durante as primeiras 3 semanas de vida, enquanto a ave cresce o suficiente para poder se termorregular e se defender.

Uma característica muito peculiar das aves jovens desta espécie é o tempo que levam para emplumar. Algo que pode variar dependendo do tamanho do Albatroz. Sendo que os grandes demoram mais para emplumar, com uma média de 280 dias, enquanto os espécimes pequenos podem desenvolver sua plumagem entre 140 e 170 dias.

A princípio, os filhotes de Albatroz ganharão peso suficiente para poder usar essas reservas no desenvolvimento de seu crescimento e no aumento de sua condição corporal, para depois emplumar, algo que fazem completamente sozinhos sem a ajuda de seus pais, uma vez concluído. Ao longo deste processo, o pássaro retornará ao ninho.

Qual é o habitat do Albatroz? Onde vive a espécie?

Os Albatrozes são aves que possuem um habitat natural bastante extenso e podem ser encontrados em várias partes do mundo. Principalmente em áreas que possuem altas latitudes e são pouco habitadas pelo homem, já que as correntes de ar que essas áreas proporcionam à ave são ideais para o seu voo livre.

É por isso que é muito comum ver Albatrozes no hemisfério sul da terra, abrangendo áreas da Antártica à América do Sul, além da África do Sul, Austrália, Pacífico Norte, Alasca, Califórnia, Havaí, Japão e Ilhas Galápagos.

A região do Oceano Pacífico Sul é o local escolhido pela maioria das espécies de Albatrozes para habitar, onde passam a maior parte de suas vidas voando. Esta região inclui, da Antártica à Austrália, a África e a América do Sul.

No Pacífico Norte existem mais 4 espécies de Albatrozes e outra delas na Ilha de Galápagos. O motivo é que eles precisam de altas latitudes, para ter ventos que, devido ao tamanho de suas asas, os ajudem em seus voos, pois é muito difícil para os Albatrozes baterem as asas. Por isso não passam do equador, onde os ventos são bem mais fracos.

Quando precisam nidificar, essas aves procuram as falésias localizadas nas ilhas rochosas da Tundra Antártica.

Numerosas investigações de cientistas especializados produziram dados importantes com os quais se determinou que estas aves não realizam uma migração anual, apenas se dispersam um pouco do seu território uma vez terminada a época de reprodução.

Mas entre todas as espécies, o Albatroz-errante ou viajante, como também é conhecido, é o maior espécime distribuído geograficamente, sendo muito fácil vê-lo em diferentes regiões do planeta enquanto se alimenta em alto mar.

Informações e comportamento de voo

Essas aves têm asas longas, mas estreitas, o que lhes permite planar por muito tempo no ar; consumindo pouquíssima energia, já que não precisam sacudi-los.

Por serem aves que gostam de voar sobre o mar, precisam estar em locais com muito vento, para aproveitar as correntes ascendentes que se formam nas ondas.

A técnica usada pelos Albatrozes para subir aos céus é chamada de voo dinâmico. Nesta forma de voo, eles usam correntes de ar ascendentes para obter maior altitude e maior tempo de voo.

Voo do Albatroz

Voo do Albatroz

Quais os principais predadores dos Albatrozes?

Os Albatrozes não têm predadores naturais conhecidos. Isso porque são aves que passam a maior parte da vida voando.

No entanto, essas aves possuem uma ameaça latente, representada pelos seres humanos. Eles os caçam para se alimentar deles e remover sua plumagem.

Curiosidades sobre a espécie

Você conhece a prisão de Alcatraz? Deve seu nome ao Albatroz. Etimologicamente a palavra Albatroz vem do Albatroz inglês. O termo inglês vem do português alcatraz, que deu nome à ilha onde a prisão foi estabelecida. Da próxima vez que você assistir a uma reprise da infinidade de filmes dedicados a Alcatraz, você se lembrará desse animal.

Para os marinheiros, o Albatroz é um símbolo de boa sorte. Centrando-se no mito, acredita-se que os Albatrozes são as almas dos marinheiros que morreram no mar, pelo que em tempos antigos era um gesto malfadado ferir ou matar um destes imponentes animais.

Sua capacidade de voar é mais do que incrível. Albatrozes foram registrados em ilhas ao sul das Malvinas que conseguiram dar a volta ao mundo em apenas 46 dias!

O Albatroz corre perigo de extinção?

Como comentamos anteriormente, 19 das 22 espécies de Albatroz estão em perigo de extinção. Devido ao seu tamanho e ao fato de passar grande parte de sua vida no ar, na natureza os Albatrozes não possuem grandes predadores, exceto algumas espécies de tubarões, que esperam os filhotes quando estão aprendendo a voar e caem em a água para ter uma presa fácil. Como tantas outras espécies, a grande ameaça ao Albatroz é o homem. Historicamente, os seres humanos sempre a caçaram, chegando a ser extinta em certos territórios, como a Ilha Pascual.

Anualmente, mais de 100.000 Albatrozes são mortos por um método de pesca conhecido como espinhel, no qual um grande número de anzóis são lançados para atrair atum e pescada e no qual infelizmente muitos Albatrozes perecem. Este fato, junto com a poluição da água e as mudanças climáticas cada vez mais prementes, fez com que a população mundial desta ave caísse significativamente. Associações ambientais e grandes figuras como Richard Attenborough estão a tentar dar visibilidade a este problema, para conservar uma das mais majestosas aves.

A sobrevivência desta espécie está ameaçada?

O fato de os Albatrozes serem bastante difundidos em muitas áreas do mundo não significa que eles não estejam sob ameaças ou riscos que afetam seu ciclo de vida normal.

A introdução de outras espécies de animais como ratos e gatos selvagens nas zonas de habitat natural dos Albatrozes, é uma das ameaças das quais a ave ainda luta. Pois apesar do seu grande tamanho é muito difícil enfrentar animais como esses quando atacam os ninhos em busca de ovos para se alimentar.

Um dos casos mais notórios foi o ataque maciço à Ilha Gough, uma das maiores colônias de aves marinhas do mundo, onde ratos domésticos foram introduzidos e mataram a grande maioria dos filhotes de Albatrozes de Tristan.

Além disso, embora a introdução de animais predadores seja um grande problema para os Albatrozes, a incorporação de novas plantas em seu habitat natural reduziu significativamente seu espaço de nidificação, o que resultou em uma taxa de natalidade decrescente.

O aumento de resíduos plásticos nos mares afetou fortemente o ciclo de vida natural dos Albatrozes, pois ao procurar comida encontram muitos restos de plástico e devido à confusão os consomem.

Esse material é muito difícil para as aves digerirem, o que resulta em morte por um rasgo interno ou por falta de espaço no estômago para a entrada de novos alimentos. Embora às vezes a ave possa expelir o plástico regurgitando-o, isso também é arriscado porque muitas vezes é regurgitado no ninho e posteriormente consumido pelos filhotes.

O que mais se sabe sobre Albatrozes?

Os riscos de sobrevivência que sofre com as ações humanas, sua técnica de voo particular, seu grande tamanho e sua vida monogâmica não são todas as peculiaridades que esta bela apresenta.

O tubarão-tigre gravita justamente quando termina a época de nidificação do Albatroz e aproxima-se o mais possível dos ninhos para atacar as crias, tornando-se o maior predador desta espécie, causando a morte de mais de 10% das crias durante o ano.

O voo do Albatroz é algo muito peculiar, pois pode realizar proezas que nenhum outro animal voador é capaz: essas aves têm a capacidade de voar centenas de quilômetros seguidos sem bater as asas. Isso se deve a técnica que usam para realizar longas viagens, subindo o mais alto que podem e depois descendo com o rosto ao vento. Aproveitando sua grande envergadura para percorrer grandes distâncias sem grandes esforços, uma eficiência de voo que muitos engenheiros desejaram imitar no desenvolvimento de aeronaves futuras.

As aves marinhas geralmente não são conhecidas por seu olfato altamente desenvolvido, mas os Albatrozes podem se orgulhar de seu olfato único, que permite localizar presas a mais de 20 quilômetros de distância.

O peixe-lua ou mola mola como também é conhecido, tem uma relação estreita e mutuamente benéfica com o Albatroz, já que muitos parasitas e crustáceos aderem a este peixe em sua pele. Razão pela qual a ave o persegue para se alimentar facilmente espécies enquanto, por sua vez, o corpo do peixe está ficando limpo.

Algo muito curioso que tem chamado a atenção de especialistas em aves é o comportamento do Albatroz Laysan, espécie que habita a ilha de Oahu no Havaí onde a troca de parceiros é alta, ultrapassando 14%, algo atípico dentro da família Diomedeidae, além disso ao fato de 30% dos acasalamentos serem entre aves do mesmo sexo.

Como é a relação entre Albatrozes e humanos?

Os Albatrozes são aves muito queridas e importantes para os amantes da ornitologia, sendo suas colônias locais ideais para a prática do ecoturismo. Uma das mais visitadas com mais de 40.000 turistas por ano é a colônia que fica em Taiaroa Head, na Nova Zelândia, onde é possível ver facilmente o Albatroz real.

Na antiguidade, essas belas aves eram muito apreciadas pelos maoris, etnia polinésia que se estabeleceu nas ilhas da Nova Zelândia, que, mortas, usavam os ossos de suas asas para cortar flautas e tatuar sua pele.

Em locais como Kaikora, Monterrey, Sydney ou Wollongong é normal que as pessoas assistam regularmente a travessias de Albatrozes porque é muito comum os navios que navegam por estas zonas despejarem óleo de peixe no mar, algo que é muito atrativo para esta espécie.

Gostou das informações? Deixe seu comentário logo abaixo, ele é importante para nós!

Informações sobre a Abatroz no Wikipédia

Veja também: Agapornis: características, alimentação, reprodução, habitat, cuidados

Acesse nossa Loja Virtual e confira as promoções!

Youtube Video

Caixa de Comentários do Facebook

Deixe um comentário